Com uma nova onda de contágios alimentada pela variante delta da Covid-19 atingindo países de todo o planeta, os especialistas na doença estão correndo para descobrir se a mais recente versão do coronavírus faz com que as pessoas —especialmente as não vacinadas— adoeçam de forma mais grave do que versões anteriores.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos alertou que a variante delta, identificada inicialmente na Índia e agora dominante em todo o planeta é “provavelmente mais severa” do que versões anteriores do vírus, de acordo com um relatório interno que foi tornado público na última sexta-feira (30).

A agência mencionou pesquisas no Canadá, na Suécia e na Escócia que demonstram que as pessoas infectadas pela variante delta apresentavam probabilidade maior de necessidade de hospitalização do que os contagiados em estágios anteriores da pandemia.

Em entrevistas à Reuters, especialistas na doença afirmaram que os três estudos apontavam para um risco maior nessa variedade, mas que as populações cobertas pelos estudos eram limitadas e as constatações ainda não haviam sido revisadas por especialistas externos.

Os médicos que estão tratando pacientes infectados pela variante delta descrevem que os sintomas da Covid-19 surgem mais rápido, e em muitas regiões houve um aumento generalizado no número de casos graves.

Mas os especialistas acrescentaram que era necessário continuar trabalhando para comparar os resultados do contágio em números maiores de indivíduos, por meio de estudos epidemiológicos, a fim de determinar se uma variante causa doenças mais severas do que outras.

“É difícil isolar o agravamento da severidade e os vieses populacionais”, disse o virologista Lawrence Young, da Escola de Medicina de Warwick, no Reino Unido.

Além disso, é provável que o ritmo extraordinário de contágio pela variante delta também esteja contribuindo para a chegada de um número maior de casos severos aos hospitais, disseram os especialistas.

A variante delta é tão contagiosa quanto a catapora e muito mais contagiosa que os resfriados ou a gripe comum, de acordo com o relatório do CDC.

Shane Crotty, virologista do Instituto La Jolla de Imunologia, em San Diego, nos Estados Unidos, disse que a indicação mais clara de que a variante pode causar uma versão mais grave da doença vem do estudo realizado na Escócia, que constatou que a variante delta em termos gerais dobrava o risco de hospitalização, comparada a uma versão anterior.

A maioria das hospitalizações e mortes causadas pelo coronavírus nos Estados Unidos acontecem entre pessoas que não foram vacinadas. Mas existem indicações de que as vacinas são menos efetivas para pessoas cujos sistemas imunológicos tenham sido comprometidos, especialmente as mais velhas.

Para indivíduos saudáveis que tenham sido vacinados, a probabilidade é a de que, caso contraiam a Covid-19, eles experimentem apenas uma versão assintomática ou amena da doença, disse o o médico Gregory Poland, especialista em doenças infecciosas na Mayo Clinic.

O número de casos graves da doença, especialmente em regiões nas quais a vacinação ainda é baixa, está de novo desgastando os trabalhadores da saúde que estão na linha de frente do combate à pandemia.

“É como um incêndio descontrolado, e não como uma fogueira de acampamento”, disse a médica Michelle Barron, diretora médica sênior de controle e prevenção de infecções na UCHealth, do Colorado.

Pesquisas realizadas na China indicam que a variante delta se replica muito mais rápido e gera mil vezes mais vírus no organismo, comparada à versão original da doença, o que destaca o grande perigo representado por essa nova onda, disse Barron.

“É difícil dizer se as pessoas estão adoecendo de forma mais grave por causa da variante delta ou se elas teriam adoecido de forma mais grave de qualquer forma”, ela afirmou.

Outros médicos dizem que pacientes infectados pela variante delta parecem adoecer mais rápido, e em alguns casos apresentar sintomas mais severos, do que os tratados anteriormente na pandemia.

“Estamos vendo mais pacientes que requerem oxigênio em estágio anterior da doença”, disse o médico Benjamin Barlow, vice-presidente de medicina da American Family Care, uma cadeia de clínicas de atendimento urgente que opera em 28 estados americanos.

Em sua clínica em Birmingham, Alabama, Barlow disse que, em exames, cerca de 20% dos pacientes estão revelando contágio pelo coronavírus agora, ante 2% a 3% algumas semanas atrás. Os pacientes são avaliados no primeiro atendimento para determinar se requerem internação hospitalar e oxigênio adicional.

David Montefiori, diretor do Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento de Vacinas para a Aids no centro médico da Universidade Duke, disse que a variante delta é mais infecciosa e conduz a um surgimento mais rápido da doença —especialmente entre os não vacinados.

“Francamente, a severidade que surge com essa variante é um pouco maior”, disse Montefiori em um webcast na semana passada. “Ela não só é mais fácil de transmitir como faz com que os contagiados adoeçam de forma mais grave”.

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

Recommended Posts