Os benefícios e as desvantagens do café

café

Existem muitas dúvidas e toda uma polêmica em volta do consumo do café. Uns defendem que uma xícara pela manhã ajuda o corpo despertar, assim como ficar em alerta e vigiante. Outros defendem que a sua ingestão ajuda na incidência de doenças crônicas e o vício. Contudo, muitas pessoas não conseguem nem imaginar começar o dia sem o café.

A cafeína é a substância psicoativa mais consumida no mundo, e o componente mais conhecido do café, para muitos o único. Enquanto alguns estudos apontam que o café descafeinado e com cafeína podem afetar igualmente a saúde, outros relatam que a cafeína não é a responsável pela maioria dos benefícios à saúde relacionados.

O café já foi o culpado da impotência e insanidade, ao mesmo tempo que foi considerado a cura da preguiça. Foi culpado como a causa do amarelamento dos dentes e o maior inimigo, e motivação da aplicação da lente de contato dental. Porém, afinal de contas quais são as suposições que foram comprovadas nos dias de hoje? Leia sobre a seguir:

Os benefícios do café à saúde

Aumento do desempenho físico 

Para uma maior disposição no treino, uma xícara de café preto uma hora antes de realizá-lo é capaz de o melhorar cerca de 11 a 12%. A cafeína é responsável pelo aumento da taxa de adrenalina no sangue, substância do hormônio de “combate ou desistência” do corpo, que ajuda no preparo para o esforço físico.

Ajuda na perder peso

O café possui magnésio e potássio como componentes, o que auxilia na utilização da insulina, que regula os níveis de açúcar no sangue e reduz a vontade de lanches ricos em açúcar e doce.

Ajuda na queima de gordura

A cafeína auxilia as células adiposas na decomposição da gordura corporal e no seu uso como motivador para o treinamento.

Ajuda na concentração e a ficar alerta 

O consumo moderado da cafeína, no máximo seis xícaras por dia, é capaz de auxiliar na concentração e na melhora da atenção mental.

Reduz o risco de morte

Pesquisas indicam que o risco de ir ao óbito prematuro de quem consome café é 25% menor do que aqueles que não são favoráveis.

Reduz o risco de câncer

Segundo um estudo, o café consegue amenizar o risco da incidência de câncer de próstata em homens e a de câncer endométrio em mulheres em 25%. As pessoas que estavam sob o estudo ingeriam cerca de quatro xícaras de café por dia. A cafeína também é capaz de barrar o desenvolvimento do tipo mais comum de câncer de pele, o carcinoma basocelular.

Reduz o risco de derrame

O consumo aceitável de café, entre duas a quatro xícaras por dia, está relacionado a uma menor probabilidade de derrame.

Reduz o risco de doença de Parkinson

Pesquisadores descobriram que a ingestão regular de café diminui a chance de desenvolver a doença de Parkinson em cerca de 25%. Há evidências de que o café leve ao funcionamento na região do cérebro atingida pela doença.

Proteção do corpo

O café apresenta uma grande quantidade de antioxidantes, que atuam como defensores e nos protegem contra os invasores nocivos presentes no organismo.

Diminui o risco de diabetes tipo II

A cafeína faz com que a vulnerabilidade do corpo a insulina caia, assim como a tolerância à glicose, amenizando a possibilidade de incidência de diabetes tipo 2.

Protege seu cérebro

A grande quantidade de cafeína no sangue diminui o risco de adquirir a doença de Alzheimer, assim como o risco de demência.

Melhora do humor

A cafeína incentiva o sistema nervoso central e influencia no crescimento da produção de neurotransmissores como a serotonina, a noradrenalina e a dopamina, responsáveis pela elevação do humor. Assim, ingerir duas xícaras de café por dia pode atuar no combate a depressão e reduzir o risco de suicídio em 50%.

Desvantagens do café e possíveis danos

Café de má qualidade pode ser nocivo

O café quando está em mal estado pode abranger várias impurezas, que podem levar a doenças, mal estar e dores de cabeça. Isso acontece principalmente em casos que o café é preparado por grãos que foram despedaçados e destroçados, mas se você investe em um café especial de alta qualidade não precisa se preocupar.

Pode levar ao óbito

Em caso de exagero no consumo, e se há a ingestão de cerca de oitenta a cem xícaras (23 litros) em um período curto. Tomar essa dosagem de café em um período curto é letal. Sintomas como ânsia de vômito são sentidos, já que o líquido está em excesso em seu organismo.  Até mesmo beber 23 litros de água é capaz de levar a pessoa a morte.

Pode causar insônia e agitação

Outro efeito da cafeína é a insônia e inquietação extrema. A quantidade máxima de cafeína indicada é 400 miligramas, aproximadamente 4 xícaras de café. Contudo, a quantidade ideal de consumo vária para cada pessoa, já que há organismos mais adaptáveis ao consumo e outros mais vulneráveis.

Beber apenas um copo por dia em gravidez

Pesquisas sobre as reações do café no feto estão em processo, mas caso você estiver grávida, a cafeína entrará em contato com o embrião que é altamente sensível a substância. Então não arrisque, se você tem o costume de consumir grande quantidade de café e acha que não conseguirá conter o vício, reduza para apenas uma xícara por dia.

Portanto, faça uma análise de consumo e perceba como o seu organismo reage a essa bebida. A ingestão pode ser favorável, mas tudo em excesso é capaz de causar um grande dano ao nosso corpo, nossa saúde e qualidade de vida. Seja consciente e faça um consumo controlado.

Sono e saúde: a importância de dormir bem

Sono e saúde

Como o sono afeta nossa saúde? Depois de um dia exaustivo e durante intervalos de um dia cansativo, o sono é uma de nossas fontes de energia. A necessidade de descansar é algo comum e necessário a todo ser humano, não somos máquinas e necessitamos nos recompor diariamente, assim como na alimentação e assim como precisamos dos procedimentos médicos e odontológicos aparelho ortodôntico, por exemplo, para nos manter. O sono possui diversos fatores de importância e não possui apenas a finalidade de relaxamento.

É muito comum ouvimos que o ideal é dormir 8 horas por dia, e essa informação não é inventada. O sono, além de nos descansar é o que mantém o equilíbrio do nosso sistema imunológico, do neurológico, endócrino e de várias outras funções. Veja os demais motivos que fazem o sono ser tão importante para nossa saúde:

Dormir muito é benéfico?

De acordo com dados do Instituto do sono, a insônia atinge por volta de 40% dos brasileiros. A insônia é um dos mais comuns distúrbios do sono, porém se trata apenas de um sintoma e não de uma doença; mostrando que há um desequilíbrio no organismo. Fatores externos como os biológicos, sociais, psicológicos, cognitivos, comportamentais e genéricos, também podem estimular a insônia.

O tempo de sono ideal é de sete a nove horas por dia, um tempo menor ou maior do que o estipulado pode desencadear danos, tanto para a saúde física quanto à mental. Em situações onde há demasia de sono, pode se remeter a doenças do sistema nervoso, como a narcolepsia e hipersonia diurna. Demais patologias clínicas como hipotireoidismo, doenças autoimunes, insuficiência dos rins ou fígado e a depressão, podem ter como introdução o excesso de horas de sono.

Como obter a qualidade do sono?

A qualidade do sono exige alguns cuidados como: manter uma dieta balanceada; com alimentos leves antes de se deitar, evitar contato ou aproximação com fontes luminosas e de ruídos sonoros; antes e durante o sono, ingerir fontes energéticas apenas de 4 a 6 horas antes de dormir, manter uma rotina de horários e vestir roupas confortáveis.

Há demais restrições para se garantir um sono de qualidade; um hábito de atividade física até com o avanço da idade pode impedir com que haja despertares várias vezes durante a noite, dormir 30 minutos durante à tarde pode influenciar na melhora do humor e do condicionamento, além de que tomar um banho morno prestes a se deitar pode relaxar o corpo e ajudar no processo.

O que um sono regulado pode evitar?

Obesidade

É justamente durante o sono que o organismo produz o hormônio chamado leptina, que possui a finalidade de transmitir a sensação de saciedade. Portadores de apneia do sono e insônia tendem a se sentir mais fome por meio de sua falta, fazendo com que sintam vontade de comer, mas sem estarem realmente com fome. Também é durante o sono que nosso corpo queima calorias e dormir menos de oito horas por dia pode reduzir 55% dessa função.

Diabetes

Noites mal dormidas podem fazer com que o corpo fique mais resistente à insulina. Segundo uma pesquisa realizada em Northwestern University, dos Estados Unidos, em 82% dos pacientes diabéticos que não conseguiam dormir direito e tiveram o seu sono supervisionado, se foi possível ser identificado a resistência à insulina.

Hipertensão

O sono desregulado leva ao estresse e faz com que a pressão sanguínea cresça, ocasionando a hipertensão a médio prazo. Pesquisadores da Universidade de Montreal, no Canadá, descobriram que a hipertensão causada pela insônia atinge até mesmo os pacientes sem inclinação à doença.

Memória

Quem apresenta um sono regulado acumula melhor as informações que são lhe dadas no cotidiano. De acordo com pesquisadores da Universidade de Lubeck, na Alemanha, a produção de proteínas de conexões neurais também acontece nas horas de sono, sendo elas essenciais para o conhecimento e recordação.

Depressão

Indivíduos que apresentam um sono de menos de seis horas tendem a desenvolver a depressão. Essa afirmação faz parte do estudo realizado pela Cleveland Clinic Sleep Disorders Center, localizada nos Estados Unidos, que detectou que pessoas que dormem de seis a nove horas possuem mais entusiasmo e são mais saudáveis.

Doenças cardiovasculares

Segundo pesquisadores da Warwick Medical School, dos Estados Unidos, a falta do sono em longo prazo ou despertar muitas vezes durante o sono, pode estar ligado a acidentes vasculares cerebrais, doenças cardiovasculares e ataques cardíacos. Esses pesquisadores investigaram por 25 anos cerca de 470 mil pessoas em oito países, como Estados Unidos, Reino Unido, Suécia e Japão.

Os resultados indicaram que dormir pouco leva ao descontrole na produção dos hormônios, que pode encaminhar para o colesterol alto, derrames cerebrais e doenças cardiovasculares. Dormir por volta de sete horas por dia diminui a chance de desenvolver doenças crônicas e faz com que você se proteja de danos futuros.

Para adquirir os benefícios que uma boa noite de sono pode oferecer e garantir uma melhor qualidade de vida, consulte um médico especialista. Não lute sozinho contra o cansaço e recupere a sua saúde e motivação de cada dia.

Profissões na área da saúde: 6 carreiras para você escolher!

profissões na área da saúde

Há muitas profissões na área da saúde diferente. O estudante que pretende seguir nessa linha, pode ter algumas dificuldades em qual escolher, já que são várias carreiras distintas. 

E para te ajudar, confira uma lista de carreiras diferentes. Vamos falar sobre quais cursos deve fazer primeiro, salários de cada uma, e ainda como ingressar no mercado de trabalho. Confira!

Saiba mais sobre a faculdade de enfermagem.

Profissões na área da saúde

As profissões na área da saúde têm um dos mercados mais crescentes do país. Isso porque, a atuação deles envolve a população em todas as fases da vida, ainda mais com o aumento da expectativa de vida. Além da medicina, também inclui os cursos de enfermagem, farmácia, nutrição, psicologia, veterinária, etc.

Medicina

Essa é uma das profissões na área da saúde mais conhecida. A graduação é composta por 12 semestres, no mínimo. Ao final, o profissional poderá decidir qual especialização fazer, sendo mais 2 anos de residência médica.

O estudante de medicina deve realizar um estágio de regime internado, sendo 30% dentro do SUS, na atenção básica e no serviço de urgência e emergência. Os outros 70% divide entre clínica médica, cirurgia, ginecologia, obstetrícia, pediatria, saúde coletiva e saúde mental.

O profissional será capaz de diagnosticar doenças, prescrever medicamentos, acompanhar tratamentos e atuar na prevenção de enfermidades. Podendo atuar em postos de saúde, hospitais, clínicas, realizando exames, cirurgias e diagnósticos.

É uma das profissões mais disputadas nos vestibulares. O salário médio no Brasil ultrapassa os R$10 mil. Isso porque é uma profissão que possui uma enorme responsabilidade (de salvar vidas), e está sujeito a muito estresse e a ação de materiais tóxicos.

Enfermagem

Essa é uma das mais tradicionais profissões na área da saúde. O enfermeiro é aquele que está em contato direto com o paciente, cuidando e ministrando os remédios e tratamentos. Atua tanto no atendimento, quanto na recuperação das pessoas em hospitais, postos de saúde e serviços de atendimento a domicílio.

São necessários, no mínimo, 8 semestres de graduação. Formando profissionais atuantes na prevenção, promoção, proteção e restabelecimento da saúde de pacientes. Os tipos de formação pode ser bacharelado, tecnólogo, pós-graduando e técnico.

Nos semestres finais, o estudante também passa por um estágio obrigatório supervisionado em hospitais, ambulatórios, clínicas, rede básica de serviços de saúde e comunidades. O salário médio no Brasil passa de R$3 mil.

Para o mercado de trabalho, o profissional precisa estar inscrito no Conselho Regional de Enfermagem. Também é possível buscar uma especialização após a graduação. O estudante precisa ter paixão em cuidar de pessoas, saber se relacionar com empatia para exercer bem a função.

Farmácia

Os profissionais na área da saúde que escolhem farmácia fazem, em média, 10 semestres de graduação. O farmacêutico é responsável pelo controle da venda de medicamentos, diagnósticos laboratoriais e ajuda no desenvolvimento de novos remédios. Além de atuar com alimentos, cosméticos e reagentes químicos.

O salário médio no país passa dos R$3 mil, e para trabalhar na área é preciso ter um diploma de uma das instituições reconhecidas pelo MEC, e fazer o registro no Conselho Regional de Farmácia.

O profissional deve ser curioso e analítico. Além de observador e detalhista, para identificar padrões de comportamentos e desenvolver soluções.

Nutrição

Uma das profissões na área da saúde mais buscada é o curso de nutrição. O profissional é responsável por prescrever programas alimentares, ajudando na saúde e/ou a atingir um desejo, como emagrecer. Além de auxiliar na preparação de alimentos, focando nos nutrientes que o paciente precisa.

Pode atuar nas áreas de saúde pública, hospitais, escolas, clínicas, spas, empresas e administração de serviços de alimentação. São em média 4 anos de graduação, e o salário médio é de quase R$ 3 mil.

Para ingressar no mercado, além do diploma é necessário estar cadastrado no Conselho Regional de Nutrição.

Psicologia

A psicologia também é uma das profissões na área da saúde. O curso tem em média 5 anos de duração, e forma os estudantes para serem capazes de diagnosticar, prevenir e tratar doenças mentais, emocionais e de personalidade.

Analisando as atitudes, sentimentos e mecanismos mentais do paciente, o profissional é qualificado para ajudá-lo a identificar a causa desses problemas e tratá-los. Além de atuar em consultórios, podem trabalhar em empresas no setor de RH, em instituições de saúde e de assistência social.

O salário médio no Brasil é de R$2,8 mil. E para atuar no mercado de trabalho é preciso diploma e ser inscrito no Conselho Regional de Psicologia. 

Medicina Veterinária

Parte da medicina voltada para o tratamento de doenças em animais. Então, para ser um dos profissionais nessa carreira, é necessário amar os bichinhos. Para atuar nessa profissão, é preciso ter 12 semestres da graduação.

Assim como na medicina de seres humanos, essa é uma das profissões na área da saúde capaz de intervir em todos os assuntos relacionados à saúde animal. Também pode atuar na inspeção de produtos de origem animal, e em organizações de ensino e pesquisa.

O profissional graduado pode oferecer assistência clínica e cirúrgica em animais domésticos e silvestres, além de cuidar da alimentação e reprodução dos mesmos. Pode trabalhar em pet shops, lojas especializadas, indústrias de produtos de origem animal ou de medicamentos e produtos veterinários.

O salário médio atinge quase os R$3,5 mil. E também é preciso estar inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária.

Essas são as principais profissões na área da saúde. Todas exigem uma certa aptidão para cuidar de outras pessoas (ou animais), além de terem inscrição nos Conselhos Regionais.

Continue acompanhando o blog para mais dicas!

O estresse e suas consequências a saúde

estresse e suas consequências a saúde

O estresse e suas consequências a saúde | Muito se fala do estresse, mas poucos realmente sabem os seus efeitos e sintomas. Esse termo geralmente é utilizado para enfatizar um dia de agenda cheia, mas esse não necessariamente é um sinal de estresse. O dia-a-dia urbano, adaptações e mudanças repentinas, relacionamento com o trabalho, pressão, altas metas, problemas cotidianos e pessoais são uma das principais causas do estresse.

O estresse pode causar uma série de problemas tanto físicos como mentais, um exemplo é que a falta de interesse pode permitir a falta de cuidado com o corpo, e influenciar problemas por todo o físico e nos dentes, podendo surgir a necessidade de recorrer a um implante dentário. Sentir estresse por um longo período de tempo é extremamente prejudicial à saúde, saiba mais sobre esse dano mental e a sua influência em nossa qualidade de vida:

O que é o estresse?

Nos dias de hoje, o estresse é um termo comumente utilizado. Não é algo surpreendente já que 90% da população mundial sofre constantemente com esse problema, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Através desse índice preocupante, a própria OMS evidenciou que o estresse pode ser considerado uma epidemia em nível global. O Brasil colabora muito com esse resultado. De acordo com um levantamento da International Stress Management Association (Associação Internacional do Controle do Estresse), a ISMA, já somos a vice liderança do ranking desse distúrbio no mundo.

O termo “estresse” teve origem da palavra inglesa “stress” e significa “tensão”, “pressão” ou “insistência”. A insistência durante situações estressantes fica muito clara principalmente no ambiente de trabalho. Pessoas da faixa etária economicamente ativa trabalham uma média de 8 horas por dia e geralmente, essa experiência é cansativa, tensa, causa incômodo e principalmente estresse.

A influência do estresse na saúde

A vulnerabilidade a situações estressantes desencadeia uma série de mudanças fisiológicas. O hipotálamo atua no organismo comunicando com a hipófise, que ativa a glândula suprarrenal, fazendo com que a produção dos hormônios de adrenalina e cortisol aumente. Assim se tem início as chamadas “reações de alarme”, são as primeiras fases do estresse e são identificadas por sintomas como:

  • Maior frequência cardíaca e respiratória;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Ansiedade e sensação de amargura;
  • Crescimento da quantidade de glicose no sangue;
  • Mudanças dos coeficientes hormonais da tireoide.

É a partir desses efeitos que doenças crônicas podem ser desenvolvidas como o diabetes e hipertensão. O estresse crônico pode trazer danos ao corpo e a mente, e podendo ir muito além do cansaço, da insônia e mudanças de humor. A segunda fase do estresse, chamada “fase da resistência”, possui além desses sintomas, demais como problemas digestivos e diminuição do desejo sexual. Esse estresse crônico também agrava problemas comuns como dor de cabeça, vícios e hábitos ruins que a pessoa já tinha tendência.

Nessa fase, doenças como gastrites, úlceras, síndrome do pânico, e distúrbios como a bipolaridade, também podem se desenvolver. Há um alto nível de irritabilidade e fadiga perceptível. Doenças psiquiátricas conjuntas como a bipolaridade, depressão e síndrome do pânico, podem impactar severamente no desempenho e na ação comportamental.

A síndrome de Burnout

Segundo a Associação Internacional do Controle do Estresse, a cada três trabalhadores no mundo, pelo menos três possuem a síndrome de Burnout. Essa síndrome se trata da fase mais avançada e grave do estresse, é a terceira e última, conhecida também como exaustão. Há o esgotamento físico e mental total em que o indivíduo sente um forte mal-estar e se percebe sensações como:

  • Dores de cabeça intensas;
  • Distúrbios graves de sono;
  • Dores musculares por todo o corpo;
  • Dificuldade de concentração;
  • Depressão acentuada;
  • Ausência de autoestima;
  • Incapacidade;
  • Taquicardia;
  • Memória comprometida;
  • Déficit de atenção e retardo do raciocínio;
  • Perda de criatividade e pouca produtividade;
  • Percepção prejudicada;
  • Declínio do sistema imunológico;
  • Debilidade e cansaço constante.

Como controlar o estresse e garantir a saúde?

Comprovado cientificamente, fatores como o positivismo, relacionamentos bem resolvidos, pessoas contentes e entusiasmadas possuem uma menor probabilidade de adquirirem doenças cardíacas. Com isso, vale a pena investir um tempo do dia para desenvolver atividades de seu agrado, controlar e procurar a melhor forma de amenizar o nível de estresse.

Ações como identificar a fonte do estresse e procurar saná-la, construir e moldar relacionamentos, controlar as reações e efeitos da raiva, além de relaxar e manter um sono regulado é capaz de melhorar a qualidade de vida e o seu bem-estar através da redução de momentos e surtos ligados ao estresse.

Caso mesmo com atitudes que busquem reduzir os efeitos do estresse, os sintomas persistirem, procure urgentemente um psicólogo para que seu caso seja estudado e para que as causas sejam encontradas, juntamente com as melhores soluções.

Saúde da coluna: saiba como manter a boa postura

Saúde da coluna

Manter uma boa postura está bem além de ser um fator estético como um clareamento dental, está relacionada a saúde geral do seu corpo, influenciando tanto o físico como o psicológico. Quando ocorre um acidente e há o envolvimento da coluna, é a condição das vértebras que determinam a gravidade das sequelas, mostrando como o seu bom estado é importante.

Caso haja uma lesão na região, as implicações podem ir de dores dorsais, lombares e cervicais. Uma das principais razões de consultas médicas no mundo, à perda de movimento de membros como braços e pernas, podendo até mesmo causar problemas respiratórios, renais e cardiovasculares, e assim impedindo a funcionalidade dos órgãos.

Portanto, cuidar da coluna e prezar por uma boa postura é precaver que todo o corpo esteja em boa condição. Leia mais sobre a importância da coluna para o nosso bem-estar:

Qual a função da coluna vertebral?

A coluna vertebral participa do nosso sistema nervoso. É formada por 33 vértebras alternadas com discos intervertebrais que se associam para que o tronco tenha mobilidade. Cada vértebra é unida a uma costela e assim formam uma grande proteção contra choques mecânicos que envolvem os pulmões e o coração. O esqueleto da coluna reverte também os nervos espinhais e a medula espinhal, além de apresentar um papel importante na mobilidade das pernas e braços.

O sistema nervoso é um extenso complexo de comunicação entre todas as células do corpo e o cérebro, apresentando uma rede e distribuindo informações a todo momento e para todo o organismo. Quando alguma das vértebras pertencentes a coluna perde o seu posicionamento devido, começa a influenciar nos impulsos desse sistema.

Os desacertos e danos nas vértebras que levar a essas intervenções são chamadas pela quiropraxia de subluxação vertebral. As subluxações prejudicam a comunicação do sistema nervoso e barram a capacidade de funcionamento do corpo e sua inteligência conata.

Problemas causados pela má postura

A falta de atenção quanto a saúde da coluna pode levar a uma série de inadequações nas articulações e vértebras, e assim levar a uma série de problemas a saúde física e psicológica, intervindo negativamente na qualidade de vida.

Alguns dos problemas que podem se desenvolver através de problemas na coluna são: doenças físicas como dores no pescoço, lombar e dorso, além de danos na circulação e problemas respiratórios e doenças psíquicas como o estresse, a ansiedade e a depressão. A perda da qualidade de vida causada pelos problemas na estrutura vertebral pode ser relacionada ao cansaço, fadiga, bipolaridade de humor, baixa produtividade, insônia e má qualidade do sono.

Precauções a saúde da coluna

O bom funcionamento do nosso organismo é dependente da saúde da estrutura da coluna, por esse motivo, é essencial que criemos o hábito de zelar por ela e não apenas em momentos de dor ou quando os problemas já estiverem sido desenvolvidos.

Um estilo de vida mais saudável com a prática de exercícios físicos, uma alimentação mais regrada, e com uma rotina de terapias como a quiropraxia. Especializada em subluxações da coluna, é a melhor alternativa para precaver de futuros problemas ao nosso físico e mente.

Há uma série de atitudes que se podem ser aderidas para se prevenir os danos causados pelas interferências da comunicação do organismo, como:

Evitar dormir de bruços;

Flexionar as pernas ao levantar um objeto;

Aderir preferencialmente um colchão ortopédico ou semi-ortopédico;

Não carregar sacolas ou mochilas somente de um lado;

Exercer atividades com o tronco inclinado;

Contrair os músculos da barriga e das nádegas ao ficar em pé.

No trabalho pelo computador, mantenha a coluna reta e apoiada no encosto da cadeira, mantendo as pernas abaixo da mesa sem se cruzarem. Na hora de dormir, outros cuidados como posicionar o travesseiro entre a cabeça e o ombro, e entre as pernas ao dormir de lado, e embaixo dos joelhos e cabeça ao dormir de barriga para cima são indicados. O colchão deve ser da altura entre o ombro e a cabeça.

Procure um especialista para saber como está a situação de sua estrutura vertebral. Quando se tem uma coluna reta e em boas condições, nosso corpo agradece com um bom rendimento e uma recuperação rápida. Desse modo, nossa qualidade de vida é potencializada assim como sua longevidade.

Medição de lucro: saiba como medir o retorno de sua clínica

Medição de lucro

Abrir um consultório ou uma clínica é o sonho de muitos estudantes de medicina e odontologia e saber sobre medição de lucro de sua clínica é essencial. Para que esse objetivo possa ser alcançado é necessário que além da idealização haja um planejamento detalhado e certeiro. A situação de um consultório médico e de um dentista em Ipatinga não é diferente.

O planejamento tende a ir além dos papeis, já que se preparar psicologicamente e financeiramente também é essencial. Sem o planejamento prévio devido, a quantidade de dinheiro investido e gasto, fará com que fique difícil saber se o negócio está bem posicionado e tendo um bom retorno.

Com isso, é importante realizar a análise do lucro esperado, pois além do capital de giro. Responsável pelo financiamento dos materiais que mantém a clínica, também se mostra importante avaliar os custos. Todos esses dados são utilizados para se conseguir a margem do lucro.

Aprenda o que significa o ROI e como essa técnica de finanças pode te beneficiar na hora de calcular o seu valor potencial de lucro:

O que é o ROI?

A sigla ROI vem da expressão em inglês “Return On Investment” (retorno do investimento) e se trata de uma métrica que auxilia a compreensão dos pormenores do processo financeiro, se o negócio está lucrando ou não. Esse cálculo mostra os valores que entraram e saíram do caixa do consultório em relação ao valor investido.

O ROI se mostra uma estratégia essencial para o gerenciamento das clínicas e consultórios. O investimento só deve ser feito após o planejamento ser traçado e assim, estimados os retornos prévios de cada quantia investida no orçamento.

Esse método de finanças é capaz de determinar qual será o lucro que vai cair através de cada ação e quais delas estão trazendo mais ganhos do que perdas. É bem simples e eficiente, com um cálculo periódico podem ser analisadas campanhas de marketing ou a instalação de um software.

Como calcular sua margem de lucro?

Para adquirir o ROI de sua clínica é necessário realizar a seguinte fórmula:

ROI = (lucros apreendidos — valor inicial investido) / valor inicial investido

Subtraia o valor total ganho pelo valor total investido e divida pelo valor encontrado e pelo número respectivo do investimento inicial. Assim, o investimento inicial irá consistir todo o valor aplicado no negócio, e a quantia arrecadada será correspondente ao lucro. Os valores apresentados no ROI devem ser os mais precisos e reais possíveis.

Dessa forma, a frequência com que esse cálculo será feito deve ser estabelecida, pois a periodicidade interfere nos resultados e influencia diretamente nos objetivos estipulados e no planejamento. Ao saber qual o lucro referente ao dinheiro injetado, se descomplica a sua visão geral de atuação.

Qual a importância de se calcular o ROI?

O ROI é um método de extrema importância para se facilitar o processo de gestão e a obtenção de sucesso do consultório. É através dos resultados gerados por ele que consegue se ter uma noção de como está sendo o desempenho das ações executadas. Nesse mesmo sentido, essa métrica contribui para que erros e problemas que possam negativar o orçamento sejam evitados.

O indicado é que esse cálculo seja realizado periodicamente, seja de semana em semana, de mês em mês, em um período trimestral, atendendo qual for a sua necessidade e a estratégia a ser tomada.

Portanto, por esse motivo se é relevante sempre retratar todas as operações das finanças para dados mais fiéis e informações mais completas. Os dados devem ser recolhidos, separados cronologicamente e guardados em um só lugar para uma maior acessibilidade e um maior controle sobre o movimento do caixa.

Requeira aos seus sócios e funcionários que arquivem notas fiscais, folhas de pagamento, recibos, boletos e todos os documentos que identifiquem a saída de capital, tanto em pequenas quantidades quanto em maiores.

Quais são as vantagens do ROI?

O cálculo do ROI é capaz de trazer diversas vantagens para o seu negócio como: projetos mais lucrativos, uma perspectiva geral mais abrangente e sistemática, facilidade na identificação de dados, e decisões mais simples e assertivas.

A margem de lucro do investimento é um método que ajuda a conhecer melhor a sua clínica/consultório e o seu empreendimento. Para que possa ser realizada de forma mais eficiente use um bom software especializado na obtenção do ROI de negócio. Essa automatização ajuda na medição e na execução do cálculo, e assim, a pureza dos valores e na melhor segurança das atitudes a serem tomadas.

Bactérias, vírus e germes: as diferenças e os cuidados

Bactérias vírus e germes

Diversas bactérias, vírus e germes vivem em meio a nossa boca e organismo. Cada um desses microrganismos age de diferentes formas nessa região e nas demais partes do nosso corpo, afetando assim a saúde e o sistema imunológico de diversas formas. Veja quais são esses diferentes problemas e a melhor forma de preveni-los:

Bactérias, vírus e germes

Bactéria

Esse microrganismo unicelular procarionte pode ser responsável por desencadear diversos tipos de doenças, e ainda desencadear fermentações ou a putrefação em matérias orgânicas ou até mesmo seres vivos. Na boca também podem se alojar sobre peças dentárias como a prótese dentária, causando doenças como a Peri-implantite.

Vírus

Os vírus são organismos biológicos que não possuem formação celular e são capazes de causar doenças em vegetais e animais. Possuem uma grande habilidade de proliferação na estrutura de uma célula hospedeira.

Germe

O germe também é um agente capaz de desenvolver doenças em plantas ou animais. Pode ser chamado de microrganismos ou micróbios e se trata de um ser vivo minúsculo que apenas podem ser visualizados pelo microscópio. Assim como as bactérias, os vírus, fungos e protozoários, os germes possuem várias espécies.

A diferença entre vírus e bactéria

Os vírus e bactérias são germes, mas os vírus como não possuem células, necessitam de um hospedeiro para se proliferar. Já as bactérias são seres unicelulares que muitas das vezes não causam problemas ao nosso organismo, e algumas vezes nos trazem até benefícios e estão estabelecidas dentro de nós.

As formas de transmissão

Os microrganismos podem ser transmitidos pela boca, assim como as bactérias inofensivas estabelecidas na microbiota oral, caso houver um desequilíbrio na flora bacteriana. Certos vírus podem ser transportados da boca pela saliva, espirro e contato, como está acontecendo com o novo coronavírus.

Os germes, exceto os vírus, se desenvolvem em ambientes apenas com a restrição de ser quente e úmido. Já os vírus, suas doenças se transportam de organismo a organismo através de seu processo reprodutivo, no qual eles se alojam em algum corpo hospedeiro por não possuírem metabolismo próprio.

As outras variações de germes se alastram pelo contato com excreções e superfícies contaminadas, podendo também ser transmitidas por partículas de poeira ou gotículas de água no ar.

As principais origens dos germes são: alimentos contaminados, água contaminada, superfícies de amplo contato, localidades de rejeição de lixo, utensílios de limpeza e animais doentes.

Os germes mais comuns são a Salmonella, bactéria causadora da infecção alimentar, Rhinovírus, gripe comum, Trichophyton, frieira e o Giardia Intestinalis, protozoário causador da diarreia.

Infecções cutâneas

As infecções cutâneas acontecem quando os germes entram na pele através de feridas, se desenvolvendo abaixo da pele. Algumas dessas infecções necessitam do tratamento com antibióticos, mas a maioria são resolvidas facilmente.

Os tipos mais frequentes de infecções cutâneas são o Furúnculo, causado pela bactéria Staphylococcus aureus, a Erisipela, pela bactéria Streptococcus, as Micoses, pelas mais diversas espécies de fungo e a Herpes, causada pelo Herpesvírus 1 e 2.

Sinais e sintomas das infecções cutâneas

O início de uma infecção cutânea é percebido pela coloração avermelhada da região, pelo aumento da espessura da pele e por coceira. Se agravada, pode ser perceptível por bolhas, liberação de pus, irritação, e pela pele mais escura.

Geralmente, atributos como sintomas e a área atingida, ademais da idade e hábitos cotidianos, entram em questão na avaliação médica para que seja estipulada a infecção. Em casos mais complexos, pode ser requerido uma biópsia do local para um tratamento mais preciso.

Cuidados e combate para manter as bactérias, vírus e germes longe

A forma de combate e os cuidados que devem ser prestados dependem do microrganismo e serem tomados em nosso em torno como: conservar objetos de uso pessoal limpos e sem seu uso compartilhado, higienização e desinfecção frequente das superfícies com álcool 70%, e a manutenção dos ambientes sempre bem refrigerados e limpos.

Em casa, além de higienizar as mãos a todo o momento, antes de preparar e realizar a refeição, e esterilizar e manter a ventilação dos cômodos, a higienização dos resíduos que irão ser jogados fora também é importante. O lixo deve ser separado corretamente e com frequência, para evitar o seu acúmulo dentro da residência. No cotidiano, o cuidado ao espirrar e tossir é um fator crucial para barrar a disseminação, cobrindo o nariz e a boca com um lenço descartável ou com o cotovelo.

As medidas dos especialistas da saúde são mais rígidas, devendo haver a higienização frequente das mãos e a utilização completa do equipamento de proteção individual (EPI) e profissional, os óculos, a máscara, o jaleco descartável, o propé e o gorro.

Manter a vacinação em dia e o consumo de remédios naturais são outras importantes precauções a se tomar contra os germes. As vacinações nos protegem de infecções graves e os remédios naturais auxiliam no combate e também na prevenção contra os germes. Para um melhor cuidado preventivo e de tratamento, consulte um profissional da saúde especializado para que o problema não se agrave e não se torne recorrente.

Quais os cuidados com nossa saúde devemos ter em dias quentes?

cuidados com a saúde em dias quentes

Quais os cuidados com a nossa saúde devemos ter em dias quentes? Em nosso cotidiano são vários os compromissos e as preocupações que passamos, desde chegar no horário no serviço, conseguir render fisicamente e psicologicamente durante as atividades, de conseguir visitar aquele amigo, de passar para fazer compras e pagar as contas. Infelizmente, costumamos deixar o mais importante de escanteio: a saúde. Uma alimentação saudável e equilibrada, fazer uma avaliação com o médico e com um dentista, cumprir com os exames requeridos e com a documentação ortodôntica, praticar exercícios e se proteger da luz solar, também devem estar entre nossas programações.

O sol pode ser fonte de benefícios como a vitamina D, mas, a exposição intensa e frequente pode trazer diversos danos e os cuidados não se limitam ao verão. Veja como se cuidar em dias quentes:

Alimentação nos dias quentes

Em dias de calor mais intenso, geralmente nos alimentamos pouco e com menores intervalos, escolhendo sempre alimentos mais leves e de fácil ingestão. Isso acontece, pois nosso corpo possui uma temperatura em torno de 36º C, e em períodos quentes, conter a temperatura não é algo complicado. Assim, nosso organismo não necessita de digerir uma maior quantidade de alimentos como em tempos frios.

Além disso, no calor a circulação do sangue cresce na pele, fazendo com que o corpo compartilhe esse calor com o ambiente. Após nos alimentarmos, o sangue tende a se locomover para o aparelho digestivo, ajudando na digestão e recebendo nutrientes.

À medida que ingerimos alimentos, o sistema digestivo necessita de mais sangue. Tendo em vista que a quantidade que ele precisa é muito grande, pode levar a pessoa a ter tontura, ao cansaço e ao sono extremo, motivando a pouca ingestão de alimentos e de apenas mais leves quando feita.

Se ingerimos um alimento bastante quente no calor, começamos a transpirar, e isso é devido ao suor e o nervo vago. O nervo vago transita pelo sistema digestivo, reage com os alimentos e influencia na produção do suor, que equilibra nossa temperatura interna. Esse é um dos motivos que precisamos ingerir uma boa quantidade de água, precisamos compensar o suor perdido, esse que é composto por água e sais minerais.

Os sais minerais podem ser restituídos com a alimentação, pois o cloro e o sódio estão entre os componentes do sal de cozinha e assim, nos alimentos salgados. O potássio está presente em frutas como as laranjas, uvas, abacates, bananas e também na água de coco, e o magnésio é obtido nos grãos como a lentilha, o milho, o grão de bico, e também nas nozes e amêndoas.

Cuidados com a pele em dias quentes

Em dias quentes, o cuidado com a pele pode evitar uma série de doenças graves. À proporção que as atividades ao ar livre aumentam, o tempo de exposição ao sol também, sendo o ambiente ideal para o desenvolvimento dessas doenças.

Queimaduras, câncer de pele, e outros tipos de enfermidades podem surgir se não houver uma atenção as precauções necessárias. O uso diário do protetor solar deve ser aplicado 30 minutos antes de se expor ao sol. O filtro solar de fator 30 ou superior é indicado para exposições maiores como em passeios a praias, cachoeiras, piscinas, para lagoas, seja para banho, pesca e outros fins.

A aplicação deve ser feita de maneira uniforme em todas as partes do corpo, podendo ser repassado a cada duas horas em casos de transpiração intensa e se for entrar na água. O uso de um bom hidratante corporal também auxilia na manutenção de água na pele. A hidratação frequente no dia-a-dia com a ingestão de líquidos, seja água, água de coco ou suco de frutas, é muito importante e promove a melhor qualidade da pele.

Calor e procedimentos médicos

Após passar por algum procedimento médico, seja ou não cirúrgico, o processo inflamatório do pós-cirúrgico tem como principais consequências o inchaço, a coloração avermelhada do local, forte dor, e algumas vezes, um alto relevo. Muitos pensam que fazer qualquer um desses procedimentos em períodos mais quentes pode levar a um maior desconforto, mas não é bem isso.

Em períodos mais frios, como no inverno, o clima e a temperatura favorecem para que os edemas (inchaço pela conservação do líquido) não fiquem maiores. Contudo, a recuperação total tende a ser retardada.

Em tempos quentes, o uso das compressas de gelo no local compensa o inchaço maior nas primeiras horas. Após essa situação, há o início da recuperação do organismo, porém, para que o líquido siga o percurso oposto é necessário que os vasos se ampliem, fazendo com que as altas temperaturas beneficiem a recuperação.

Mesmo seguindo os cuidados precisos, procure um especialista para uma avaliação e para conhecer mais as suas necessidades e carências quanto ao calor. Há vários casos de alergias e surgimento de manchas na pele que se desenvolvem apenas durante esse período e variam de pessoa a pessoa; essa mesma particularidade atinge os processos cirúrgicos. Em cada caso e cada pessoa, há um organismo diferente que reage o ambiente de forma distinta e individual.

Como manter a saúde física e mental em dia?

saúde física e mental

Como manter a saúde física e mental em dia? | Muito se fala do corpo escultural, da prática regular de esportes, das visitas frequentes aos consultórios médicos, do valor da estética e procedimentos como harmonização facial, e muito pouco sobre algo que também afeta nossa vida e é tão importante quanto: a saúde mental. A saúde mental é tão importante quanto a saúde física, já que além de se tratar da saúde de nosso cérebro, é justamente o órgão que controla todos os outros e é capaz de controlar todo o nosso corpo e seu rendimento. Veja mais sobre:

O impacto da saúde mental

A saúde mental pode influenciar diretamente em nosso humor, emocional, rendimento, em nossos sentimentos, na nossa motivação e percepção, atingindo todas as áreas de nossa vida. Sendo assim, manter um cuidado e uma atenção voltada ao nosso psicológico é muito importante para nosso sucesso em atividades presentes e futuras. Um psicólogo e psicoterapeuta pode ajudar e muito na recuperação de nossa confiança, autoestima e assim, em nossos resultados.

Como qualquer mudança em nossa vida requer um certo período de tempo para se acomodar, uma mudança relativa quanto a qualidade de nossa saúde mental também é assim. É gradualmente, mudando certos hábitos do dia-a-dia, que transformamos nossos pensamentos e nossa forma de olhar o mundo e a nós mesmos.

Assim, como a saúde física depende da mental, a saúde mental também está interligada com a saúde física. Escolhas como permanecer positivo, ativo e saudável afetam uniformemente o seu bem-estar e boa forma, sua qualidade de vida depende de ambas as vertentes.

Comece aos poucos e, com atitudes vigorosas e responsáveis consigo mesmo, tenha um retorno positivo como: o total controle de si próprio e satisfação com suas ações e escolhas, ganho de energia e do sentimento de estar em seu melhor estado, positivismo e maior prazer em suas atividades, ser referência para os outros e para você, além da melhora da saúde física.

Saúde física e a boa alimentação

O bom rendimento físico e uma alimentação saudável e regrada são a chave do bom posicionamento físico. É através de uma boa alimentação, colorida e cheia de nutrientes, que se adquire um melhor condicionamento e rendimento na pratica de exercícios.

Para começar uma dieta saudável, como por exemplo a dieta do ovo, é preciso listar o seu cardápio cotidiano e compreender os seus hábitos alimentares. Ter o total entendimento sobre o que costuma comer, ajuda a organizar a sua nova dieta e perceber no que está pecando. Evitar alimentos processados e grandes porções de comida são um dos pilares da dieta ideal. Consuma majoritariamente alimentos naturais e comer na medida certa, buscando ficar satisfeito. Caso se encontre confuso, consulte um nutricionista para guia-lo em seu processo de adaptação.

Hábitos alimentares não saudáveis influenciam diretamente no ganho de peso e, em alguns casos, faz as pessoas se dirigirem a tendências de dietas que prometem uma perda de peso em pouco tempo. Essas dietas regram a sua alimentação e na maioria das vezes, não são adequadas para você.

Acompanhando a boa alimentação, a prática de atividade física colabora para uma vida mais saudável e longa. Seja atividades domésticas, uma caminhada, um exercício ou a prática de algum esporte, qualquer iniciativa de movimento conta para a prevenção de problemas graves e doenças.

Dietas alimentares e reeducação alimentar

O mercado das dietas é bastante concorrido, profissionais vendem técnicas “milagrosas” e nunca há aquela considerada correta. O segredo não é tão secreto assim, cada organismo reage de uma forma o que é ingerido, trazendo assim diferentes resultados, seja bom ou ruim. Então, você pode até testar uma dieta que te chame a atenção, mas observe a resposta de seu organismo a ela e a adapte de acordo. Não se restrinja dos alimentos saudáveis que você gosta, monte sua dieta de acordo com seus gostos e necessidades.

No início, pode ser uma boa ideia trocar a quantidade de alimentos industrializados por naturais, sentindo assim o primeiro impacto. À medida que o tempo passar e você se sentir confortável, vá diminuindo as proporções dos alimentos prejudiciais e repondo com aqueles com maior carga de nutrientes.

Para uma melhor alimentação há dicas como: procurar comer sempre comidas caseiras, não pule as principais refeições, não exagere e tenha controle, coma alimentos variados e reeduque também as pessoas em sua volta; assim você terá apoio e uma maior motivação para persistir.

Positivismo e saúde

Ter pensamentos e atitudes positivas podem auxiliar em uma melhor qualidade de vida. Além disso, o positivismo pode tornar mais fáceis decisões como aquelas que mantém uma alimentação mais saudável e uma rotina mais ativa. Tratar de problemas psicológicos ajuda bastante a deixar a vida mais leve, assim como hábitos como: Fazer o que gosta, se divertir, relaxar, manter-se ativo, ler, estudar, e acima de tudo, procurar se conhecer e reconhecer o seu valor.

Além de se reerguer positivamente, trazer consigo parentes e amigos facilita o processo, quanto mais pessoas alegres e contagiantes na sua vida, mais rápida é a superação de problemas e perdas.

O estresse cotidiano pode ser o seu maior inimigo ao longo do processo, mas a melhor solução é sempre reagir e se autocontrolar, praticando medidas relaxantes como guiar a respiração, meditação e práticas de yoga.

Deste modo, procure sempre olhar para você e não deixar com que os problemas do dia-a-dia, seja no trabalho ou dentro de casa, atinjam a sua saúde mental e física. Tenha sempre em mente que você é sua prioridade e pratique atos que te faça feliz. Em casos de doenças psicológicas procure um especialista, iniciar um tratamento também é um ato de cuidado.

A acessibilidade na estética

acessibilidade na estética

A acessibilidade na estética | A estética pode ser vista como uma extensão da saúde por tratar de partes do corpo humano. Procedimentos estéticos ajudam na correção de falhas e na elevação da autoestima das pessoas, atuando assim em sua saúde mental e no bem-estar consigo mesmo. Todos precisamos de nos sentir bem e satisfeitos com nossa aparência e temos o direito de conseguir ter acesso a jovialidade que a estética proporciona.

Pessoas com deficiência ou com alguma dificuldade financeira/geográfica devem ter acesso a esses recursos, respostas de perguntas como: quanto custa um implante dentário? podem ser agradáveis a todos os ouvidos. Assim como na saúde, a acessibilidade na estética é de estrema importância, veja os motivos:

Diversidade do público

O público do setor de estética é amplo e atinge, mesmo com exceções de perfis, toda a população. O público que frequentam clínicas e consultórios estéticos é diverso, fortalecendo ainda mais a ideia de acessibilidade na área.

A diversidade seja de gênero, idade, raça, classe social ou condição física e metal; não interfere na ampla ideia de que todos nós nos preocupamos com nosso exterior tanto quanto nosso interior. Não se trata somente de vaidade, mas na autoconfiança que interfere diretamente no posicionamento social e nas relações interpessoais.

Influência das mídias

A grande mídia e a as redes sociais hoje em dia atingem grande parte da população. O impacto em que atingem as pessoas é tão forte e de influência tão poderosa que fazem ações e pensamentos virarem tendências dentro e fora da internet. Com a valorização estética, padrões de belezas foram estabelecidos e muitos que não se encaixavam em algum deles recorreram a ajuda profissional.

Acessibilidade financeira

É muito importante, que assim como procedimentos na saúde, os de fins estéticos não possuam valores exorbitantes. Tratamentos como o clareamento dental e o aparelho ortodôntico devem possuir uma maior acessibilidade, já que os problemas que solucionam, se agravados, podem resultar em problemas de saúde que poderiam ser evitados.

Existem projetos sociais que oferecem certos serviços estéticos para a população mais carente, e quando associados a uma marca, tomam grandes proporções e afetam positivamente a vida das pessoas.

Deficiência no Brasil

Segundo dados do IBGE, estipula-se que cerca de 23,9% da população brasileira possui alguma deficiência seja motora ou intelectual. Essas estimativas só evidenciam a importância de integrar toda a população a todos os tipos de serviço, e fortalecer ainda mais a igualdade em todos os setores, essa que não sai do papel na maioria dos países democráticos.

A parcela de idosos e gestantes também apresentou um aumento nos últimos anos, até mesmo a de pessoas que apresentam alguma insuficiência temporária.

Normativa Brasileira e a acessibilidade na estética

A NBR 9050 informa que todas as localidades construídas ou planejadas, devem possuir acessibilidade a todos. Há regido nas normas de acessibilidade que espaços públicos devem ser idealizados e estabelecidos respeitando os limites e requerimentos do desenho universal. Com esse modelo, se atende todas as ramas da população através das características sensoriais e antropométricas.

Com segurança, conforto e permitindo que qualquer um consiga ser autônomo, a acessibilidade é alcançada e assim uma distribuição de serviços mais justa. Segue ações simples que podem fazer com que os espaços de estética se tornem ambientes mais democráticos:

Planejamento – Sempre busque a opinião profissional de um arquiteto quando for realizar o planejamento do espaço, evidenciando a sua preocupação quanto à acessibilidade e funcionalidade.

Vão de acesso –O vão de acesso recomendado deve possuir uma largura mínima de 80 cm, tendo todas as portas dos banheiros uma largura mínima de 90 cm.

Rampas e elevadores – Para se ter um ambiente acessível as escadas estão fora de cogitação. As rampas devem ser suaves e possuir uma inclinação máxima de 12,5%, já os elevadores devem ser bem posicionados e espaçosos.

Mobiliário – O mobiliário também deve ser adequado e confortável, prestando atenção na distância entre eles para que o ambiente tenha um bom fluxo.

Livre circulação –O chão do local deve ser liso e sem elementos que possam contribuir para uma queda. Itens aveludados, como os tapetes, podem ser usados em lugares de espaço maior de modo que não cubra todo o espaço de locomoção.

Portanto, a acessibilidade vai muito além do arquitetônico e da mobilidade, ela abrange até mesmo o contextual e a comunicação. Sempre idealize sua clínica e consultório buscando acolher a todos e providenciar um espaço acolhedor a seu cliente e a sociedade. Ao realizar um papel social você está também agregando valor a seu negócio.