Avaliação da Saúde: Conceitos da qualidade

O desenvolvimento da avaliação da saúde caracteriza-se como uma temática contemporânea e pertinente aos pesquisadores, profissionais, gestores e usuários de serviços de saúde concordantes que os serviços a serem prestados devem ter excelente qualidade. Por sua vez, no campo da avaliação em saúde, a discussão acerca de suas abordagens conceituais e metodológicas encontra-se alicerçada em concepções clássicas. Este artigo apresenta algumas contribuições de renomados autores, sobressaindo os aspectos da investigação da qualidade em saúde.

Avedis Donabedian, médico e especialista em Saúde Pública da Universidade de Harvard, elaborou conceitos fundamentais na área de avaliação da qualidade do cuidado médico, por meio da análise de três dimensões: estrutura, processo e resultado. Em sua obra “Promoting quality through evaluating the process of patient care” buscou esclarecer como é complexa a sistematização da avaliação do processo de assistência médica. No cuidado médico há muitos fatores envolvidos, desde o que o paciente reconhece como necessidade ao que os profissionais consideram como demanda de saúde. O uso do serviço, assim como os resultados esperados, dependem de uma série de antecedentes, e envolvem interações de diferentes fatores principalmente no processo assistencial, que influenciarão a qualidade.

Outro importante estudo de Donabedian foi “The seven pillars of quality” [1], no qual o autor apresenta sete atributos a serem analisados na prestação dos serviços de saúde. Os atributos são: a eficácia, ou seja, a capacidade de promover a saúde da melhor maneira possível; a efetividade, que significa o grau de melhoria em saúde proporcionado à população/comunidade alvo do serviço; a eficiência, entendida como o melhor serviço prestado com um menor custo. A otimização, quarto atributo descrito como o melhor resultado obtido com o recurso disponível; a aceitabilidade, que leva em consideração as expectativas dos pacientes frente aos serviços de saúde ofertados; o sexto atributo seria a legitimidade – aceitação do serviço prestado pela população alvo – e; a equidade, atributo de adequar os recursos às especificidades das necessidades individuais. Apesar do artigo ter sido publicado em 1990, os sete pilares da qualidade continuam sendo considerados como padrão ouro no desenvolvimento das avaliações em saúde.

No cenário nacional, o capítulo “Conceitos, abordagens e estratégias para a avaliação em saúde”, escrito pela médica e professora Ligia Maria Vieira da Silva [2], experte em avaliação de políticas de saúde e determinantes sociais da saúde, propõe estratégias e caminhos a serem seguidos pelo avaliador, ao mesmo tempo em que discorre sobre a amplitude e limites de vários conceitos de avaliação em saúde. Apresenta uma definição ampla quando coloca que “a avaliação em saúde é um julgamento sobre uma prática social”, desde as ações do cotidiano até aquelas relacionadas ao trabalho nos seus diversos âmbitos ou sobre qualquer um dos seus componentes, com o objetivo de auxiliar na tomada de decisões. Ademais, referindo-se à Donabedian, descreve os elementos passíveis de análise em estudos de avaliação: estrutura (recursos humanos, materiais e organizacionais), processo (relação entre o usuário e o profissional, relação entre profissional e o gestor), e resultados (exames, consultas médicas, dentre outros).

Em síntese, pode-se concluir que a conceituação da avaliação em saúde, abarcando a qualidade do cuidado, é uma tarefa complexa, que tem sido explorada por diversos autores nacionais e internacionais, entre os quais recomendamos estes clássicos como leituras imprescindíveis ao aprofundamento nos meandros deste tema.

Para saber mais:
• The seven pillars of quality [1]
• SILVA LMV. Conceitos, abordagens e estratégias para a avaliação em saúde. Cap. 1, p. 15-39. In: HARTZ ZMA e SILVA LMV (Orgs.) Avaliação em saúde: dos modelos teóricos à pratica da avaliação de programas e sistemas de saúde. Salvador/Rio de Janeiro: EDUFBA/Fiocruz, 2005. 275 p. [2]
• Avaliação em saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas [3]


Para citar esse artigo:
Camargo HPM, Freato Gonçalves AMR, Pinto IC, Forster AC, Ferreira JBB. Conversando sobre Avaliação em Saúde: Conceitos e aspectos da qualidade. RESC 2015 Fev;2(2):e78.

Deixe um comentário