Dente para frente: saiba o que causa e como corrigir esse problema

Ter o dente para frente é uma situação que pode causar bastante constrangimento, tanto quando eles estão posicionados muito a frente quanto quando estão inclinados para frente. Porém você sabe o motivo disso acontecer? Confira mais sobre a causa e como corrigir esse problema: O que é o dente para frente? O dente pra frente …

O post Dente para frente: saiba o que causa e como corrigir esse problema apareceu primeiro em Clinica OralDents.

Destinos turísticos registram pico de Covid e gripe após Réveillon

Grupos de turistas infectados na Bahia e no Piauí, emergências e prontos-socorros com picos de demanda no Ceará e em Santa Catarina e até falta de medicamentos antigripais nas farmácias no estado do Rio de Janeiro.

Cidades turísticas conhecidas por abrigar algumas das principais festas de Réveillon do país registraram crescimento de novos casos de Covid e de influenza após os festejos de fim de ano. ​

Um dos casos mais emblemáticos é o de Cajueiro da Praia, cidade de 7.200 habitantes do litoral do Piauí.

O município registrou 123 casos de Covid-19 nos primeiros dias de 2022, número equivale a 10% dos 1.269 casos da doença registrados no local desde o início da pandemia, em março de 2020.

Dos 123 novos casos registrados neste ano, 103 eram pessoas que vieram de outras cidades para passar o fim de ano na região. A maioria foi participar da festa Réveillon das Emoções, evento com seis dias de shows que aconteceu no distrito de Barra Grande do Piauí.

A prefeitura informou que, seguindo a recomendação do governo do estado, não realizou festas de final de ano, mas empresas privadas organizaram festas de Réveillon em todo o litoral piauense.

O município afirma ter realizado testagem para Covid-19, feito busca ativa de casos suspeitos e fiscalizado o cumprimento de protocolos sanitários em pousadas. “Porém, nossas recomendações não foram seguidas por todos”, diz a secretária municipal de Saúde de Cajueiro da Praia, Joara Mendes.

Na Bahia, houve aumento expressivo de casos de Covid-19 em Salvador. A capital baiana vinha registrando não mais de 30 casos diários de coronavírus até 3 de janeiro. Nos últimos dois dias, contudo, os casos cresceram de forma vertiginosa, com 112 casos na segunda-feira (3) e 111 na terça-feira (4).

O número, contudo, tende a estar subestimado, já que nem todos os pacientes com sintomas gripais estão tendo acesso a testes de Covid-19 na rede privada, conforme relato de pacientes ouvidos pela Folha.

Parte dos novos casos registrados na capital baiana são de pessoas que passaram o Réveillon em balneários como Itacaré, Boipeba e Morro de São Paulo.

Um grupo de amigos de Salvador que passou a virada do ano em Itacaré, por exemplo, foi quase todo contaminado.

Dos 12 amigos que foram para a região juntos, 10 tiveram diagnóstico positivo para Covid. Todos estavam vacinados com duas ou três doses da vacina e estão com sintomas leves.

“Os sintomas começaram logo nos primeiros dias, principalmente tosse. Mas foi uma coisa generalizada”, afirmou a médica Ana Vitória, 25, uma das pessoas do grupo que foi contaminada.

A turma foi para Itacaré participar do Réveillon N1, uma das festas mais badaladas do litoral sul baiano. Segundo Ana Vitória, os participantes tiveram que apresentar o comprovante de vacinação para o credenciamento na festa. No local do evento, contudo, não era exigido o uso de máscara.

O avanço de casos suspeitos aumentou a pressão em hospitais do sul da Bahia. O Hospital Regional Costa do Cacau, o maior de Ilhéus, teve um aumento superior a 150% nos atendimentos de pacientes com sintomas gripais causados por influenza, Covid-19 ou ambos.

Em Porto Seguro, foram registrados 24 novos casos de Covid nesta terça-feira (4). Outros 20 são tratados como suspeitos.

Também houve pico de casos no Ceará. O percentual de testes positivos para Covid, que era de menos de 1% no início de dezembro, subiu para 11% no posto de testagem do aeroporto de Fortaleza. No posto de testagem da rodoviária, o índice chegou a 20%.

O avanço dos casos fez o governador Camilo Santana (PT) anunciar nesta quarta-feira (5) o cancelamento de festas de Carnaval e pré-Carnaval, além da redução do limite de público para eventos, que será de 500 pessoas em locais abertos e 250 em fechados.

A rede Unimed de Fortaleza registrou nesta segunda-feira (3) o maior número de atendimentos na emergência e no pronto atendimento virtual desde o início da pandemia –foram 1.403 em um único dia, sendo a maioria com sintomas gripais.

“Estamos tendo uma quantidade muito grande de casos de influenza e de Covid, o que é preocupante, mas não é de se admirar. Era algo esperado tendo em vista o que aconteceu na última semana, principalmente no Réveillon”, disse Elias Leite, presidente da cooperativa Unimed em Fortaleza.

A situação não foi diferente em estados do sul do país. Em Florianópolis, a Vigilância Epidemiológica emitiu um alerta na terça chamando atenção sobre o aumento dos casos de Covid-19.

Em 48 horas , segundo o órgão, 1.071 novos casos foram registrados em serviços de saúde da capital de Santa Catarina, sobrecarregando o atendimento. Entre 40% a 53% dos testes realizados nos últimos dias têm resultado positivo para Covid. “Esta taxa é extremamente alta”, destacou a vigilância.

Nesta semana, o hospital privado Baía Sul e a Unimed Florianópolis comunicaram que a procura de pacientes era alta e o tempo de espera poderia ser mais elevado que o normal.

Nesta quarta-feira, o Procon de Florianópolis notificou farmácias da cidade por conta do aumento injustificado no preço dos testes de Covid-19 vendidos pelos estabelecimentos. A alta teria relação com a maior busca de consumidores por esses exames nos últimos dias.

Em redes sociais, internautas publicaram fotos de filas em laboratórios que realizam teste de Covid na capital catarinense.

Em Balneário Camboriú, há relatos de falta de testes em farmácias. Na terça, a prefeitura determinou que três unidades de saúde funcionem em horário estendido. “Desde o Natal verificamos uma ampliação significativa do número de pacientes com sintomas respiratórios”, declarou o prefeito Fabrício Oliveira (Podemos).

No litoral do Rio de Janeiro, cidades como Búzios, Arraial do Cabo e Paraty registram falta de medicamentos para a gripe. A chegada de milhares de turistas no Ano-Novo contribuiu para pressionar a demanda nos municípios.

A reportagem entrou em contato com três farmácias em Arraial, procurado destino turístico na região dos Lagos. Em todas, faltavam xaropes e antigripais.

“Tem faltado muito remédio. Todo mundo ao meu redor ou está com a garganta ruim ou está no hospital. Realmente, tem tido muito caso aqui”, disse Matheus Lopes, 25, que trabalha em uma das drogarias da cidade.

Em outra farmácia, a procura pelo antigripal Naldecon é tamanha que o produto acabou no mesmo dia em que o estoque foi reabastecido. Na falta de medicamentos recomendados pelos médicos, profissionais disseram que têm indicado remédios alternativos ou genéricos.

Apesar do desabastecimento, o município não tem pacientes de Covid internados em leitos de enfermaria, segundo dados do governo estadual.

A reportagem entrou em contato com três drogarias em Paraty, que também relataram a falta de Naldecon. Uma delas não tem o remédio há duas semanas. A demanda por testes também aumentou –uma das farmácias recebeu mais de 20 ligações por dia na semana do Ano-Novo de clientes em busca de testagem para Covid-19.

Em Búzios, três farmácias procuradas pela reportagem comunicaram a falta de medicamentos como o antiviral Tamiflu, xaropes, corticoides e pastilhas para garganta.

A cidade também está com a ocupação de leitos de Covid praticamente zerada. Há apenas dois leitos de enfermaria ocupados, e nenhum de UTI.

Colaboraram Ana Luiz Albuquerque e Matheus Rocha, do Rio de Janeiro, e José Matheus Santos, do Recife

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

Fimose: o que é, como identificar, tipos e tratamento

A fimose é um excesso de pele, chamada cientificamente de prepúcio, que recobre a cabeça do pênis, como um anel fibroso que causa dificuldade ou incapacidade de expor a glande. 

Esta condição é comum nos bebês meninos e tende a desaparecer na maioria dos casos até 1 ano de idade, em menor proporção até os 5 anos ou somente na puberdade, sem a necessidade de tratamento específico. Porém, quando a pele não cede o suficiente com o passar do tempo, pode ser preciso usar uma pomada específica ou fazer uma cirurgia. 

Além disso, outras condições podem causar a fimose na idade adulta como infecções ou problemas na pele, por exemplo, podendo causar dor, desconforto nas relações sexuais ou infecções urinárias. Nestes casos, é importante consultar um urologista para iniciar o tratamento mais adequado, que normalmente é feito através da cirurgia.

Fimose: o que é, como identificar, tipos e tratamento

Como identificar

A única forma de identificar e confirmar a presença da fimose é tentar retrair manualmente a pele que recobre a glande do pênis. Quando não é possível ver completamente a glande, isso representa a fimose, que pode ser classificada em 5 graus diferentes:

  • Grau 1: consegue-se puxar totalmente o prepúcio, mas a base da glande ainda fica coberta por pele e pode ocorrer maior dificuldade de voltar com a pele para a frente;
  • Grau 2: consegue-se puxar o prepúcio, porém a pele não passa na parte mais larga da glande;
  • Grau 3: consegue-se puxar a glande apenas até o orifício urinário;
  • Grau 4: o acúmulo de pele é tão grande que a retração do prepúcio é muito reduzida, não sendo possível expor a glande;
  • Grau 5: forma mais grave de fimose em que não se consegue puxar a pele do prepúcio, não sendo possível expor a glande. 

Embora o grau da fimose não seja muito importante para decidir o melhor tratamento, que depende especialmente da idade do menino, essa classificação pode ser útil para identificar a fimose e para acompanhar o progresso do tratamento. Geralmente, a primeira verificação da presença da fimose é feita no bebê recém-nascido, sendo o exame físico feito pelo pediatra.

No caso da fimose secundária, que pode surgir na adolescência ou a vida adulta, o próprio homem pode observar se existe alguma dificuldade na retração da pele ou sintomas como vermelhidão, dor, inchaço ou sangramento na cabeça do pênis ou no prepúcio, ou sintomas de infecção urinária como dor ou ardor ao urinar. Nestes casos, recomenda-se uma consulta com um urologista o mais rápido possível para fazer exames laboratoriais como hemograma, exame de urina ou exame de cultura bacteriana, por exemplo.

Fimose: o que é, como identificar, tipos e tratamento

Tipos de fimose

A fimose pode ser classificada em alguns tipos de acordo com a sua causa e características, sendo os principais:

1. Fimose fisiológica ou primária

A fimose fisiológica ou primária é o tipo mais comum de fimose e pode estar presente desde o nascimento em bebês meninos e ocorre por uma aderência normal entre as camadas internas do prepúcio e da glande, que é a cabeça do pênis, tornando a retração completa do prepúcio mais difícil.

2. Fimose patológica ou secundária

Esse tipo de fimose pode surgir em qualquer fase da vida como resultado de algum um quadro de inflamação, infecção de repetição ou traumatismo local, por exemplo. Uma das principais causas da fimose patológica é a falta de higiene no pênis que causa acúmulo de suor, sujeira, bactérias ou outros microrganismos, causando infecção que pode levar a uma inflamação chamada balanite ou balanopostite.

Além disso, algumas doenças de pele como eczema, psoríase ou líquen plano, que deixam a pele do pênis irregular, com coceira e irritação, podem causar a fimose secundária.

Em alguns casos de fimose a pele é tão apertada, que até mesmo a urina pode ficar retida dentro da pele, aumentando o risco de infecção urinária. A fimose pode causar complicações como dificuldade na limpeza da região, aumento do risco de infecção urinária, dor nas relações sexuais, maior propensão a ter uma infecção sexualmente transmissível, HPV ou câncer de pênis, além de aumentar muito o risco de desenvolver uma parafimose, que é quando o prepúcio fica preso e não volta a recobrir a glande.

Como é feito o tratamento

O tratamento da fimose infantil deve ser sempre orientado pelo médico pediatra e nem sempre é necessário tratamento específico, já que a fimose pode ser naturalmente solucionada até os 2 ou 3 anos de idade. Mas se após essa fase a fimose persistir, pode ser necessário tratamento com pomadas contendo corticoides e exercícios para retração do prepúcio ou cirurgia após os 2 anos de idade. 

Já o tratamento da fimose secundária, deve ser feito com a orientação de um urologista que pode indicar cirurgia ou prescrever pomadas antibacterianas com a clindamicina ou mupirocina ou antifúngicas como nistatina, clotrimazol ou terbinafina, dependendo do tipo de microrganismo causador da fimose. 

Além disso, caso a fimose secundária ocorra por infecções sexualmente transmissíveis, o urologista deve tratar a infecção com antibióticos ou antivirais por via oral. 

Saiba mais sobre o tratamento da fimose.

Fonte tuasaude.com

Overdenture: o que é, quais suas características e como funciona

O avanço da odontologia trouxe consigo várias inovações, principalmente na área de próteses e implantes dentários. Uma das inovações garantidas por esse avanço é a prótese overdenture. Isso ofereceu a possibilidade das pessoas que perderam um ou vários dentes reporem os que estão ausentes, garantindo assim o retorno de sua autoestima e um conforto maior …

O post Overdenture: o que é, quais suas características e como funciona apareceu primeiro em Clinica OralDents.

SP faz dupla testagem de Covid e influenza em postos de saúde

A Prefeitura de São Paulo começou, nesta quarta-feira (5), a fazer dupla testagem de Covid-19 e influenza em pessoas com sintomas gripais. Segundo o Secretaria Municipal da Saúde, serão disponibilizados cerca de 300 mil conjuntos de testes nos próximos 15 dias em todas as 469 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) da capital paulista.

De acordo com o secretário Edson Aparecido, a ideia é fazer um painel mais preciso para avaliar como está a transmissão dos dois vírus na cidade, e, principalmente, o avanço da variante ômicron do novo coronavírus.

“A partir desse resultados poderemos definir novas ações”, afirmou o titular da pasta da Saúde, que acompanhou o início da testagem na UBS Santa Cruz, na zona sul da capital. A primeira pessoa testada, uma mulher com sintomas de gripe, teve resultado positivo para Covid-19.

Segundo a secretaria, primeiro será feito teste rápido de antígeno para Covid. “O resultado sai em 15 minutos e, se der positivo, será aplicado o teste RT-PCR”, disse Aparecido.

Caso o teste para Covid dê resultado negativo, será realizada a testagem para influenza.

Fora da rede pública, em meio a essa alta procura, pacientes encontram dificuldade para agendar um horário para realizar testes para Covid em farmácias de São Paulo.

Antes, para fazer o teste, bastava agendar para o mesmo dia. Agora, é comum ter de esperar pelo menos dois dias e, alguns casos, até cinco.

Alta

O secretário admitiu que os casos de Covid cresceram cerca de 30% na cidade nas últimas semanas. Ele lembrou que análises preliminares apontaram para a prevalência de cerca de 50% da ômicron entre os infectados. O percentual pode ser ainda maior, já que os números, divulgados nesta terça-feira (4), de sequenciamento realizado pela secretaria e pelo Instituto Butantan são referentes à semana dos dias 12 a 18 de dezembro.

“Com essa testagem, vamos poder avaliar com mais precisão a transmissão pela variante”, afirmou Aparecido.

Sobre a gripe, o secretário admitiu que há lotação. Somente nos três primeiros dias de janeiro foram foram realizados pouco mais de 20 mil atendimentos a pessoas com sintomas respiratórios, sendo 11.585 suspeitos de Covid-19.

Na AMA Sorocabana, na Lapa (zona oeste), a Folha mostrou que a espera para atendimento chegava a cinco horas na terça-feira.

Segundo a secretaria, cerca de 80% dos 406 leitos do Hospital Municipal da Brasilândia, na zona norte da cidade, estão com pacientes com síndrome gripal. Por isso, outros 229 leitos foram reservados no Hospital Municipal da Guarapiranga, na zona sul, apenas para pessoas com sintomas de gripe.

Por causa do surto, em dezembro de 2021 foram registrados 286.858 atendimentos a pessoas com quadro respiratório, contra 111.949 atendimentos de pacientes com sintomas gripais em novembro, uma alta de 156%.

Os dados de atendimentos na rede municipal de saúde mostram que dispararam os casos suspeitos de Covid-19. Em novembro, foram 56.220 pacientes com sintomas. Já no mês passado, o número subiu para 133.501 suspeitas do coronavírus, uma alta de 137,6%. ​

Atualmente, as unidades de saúde estão vacinando contra a Covid-19 e contra a gripe. As pessoas, afirmou a pasta, podem, inclusive, tomar as duas vacinas no mesmo dia.

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

Ovário policístico: o que é, sintomas, causas e tratamento

A síndrome dos ovários policísticos, também conhecida como SOP, é um a condição comum e que pode acontecer em mulheres em todas as idades, apesar de ser mais frequente no início da adolescência. Essa condição é caracterizada por alterações nos níveis de hormônios circulantes no sangue, o que acaba por favorecer a formação de diversos cistos no ovário, levando ao surgimento de sintomas como menstruação irregular e dificuldade para engravidar, por exemplo.

Além disso, é possível que surjam outros sintomas relacionados ao aumento dos níveis de hormônios, principalmente testosterona, como acne e aparecimento de pelo no rosto e no corpo.

O diagnóstico é feito pelo ginecologista a partir da análise dos sintomas apresentados pela mulher e resultado dos exames solicitados, sendo, então, possível iniciar o tratamento adequado que é feito com remédios que têm como objetivo aliviar os sintomas e regular os níveis hormonais.

Ovário policístico: o que é, sintomas, causas e tratamento

Sintomas de ovário policístico

Os sinais e sintomas de ovário policístico pode variar entre mulheres e com a alteração hormonal, no entanto, de forma geral, os sintomas de ovário policístico são:

  • Menstruação irregular ou ausência de menstruação;
  • Queda de cabelos;
  • Dificuldade para engravidar;
  • Aparecimento de pelos no rosto e no corpo;
  • Aumento da oleosidade da pele;
  • Maior chance de desenvolver acne;
  • Ganho de peso de forma não intencional;
  • Atraso no desenvolvimento das mamas.

Caso a mulher identifique o aparecimento de pelo menos dois dos sintomas, é importante consultar o ginecologista para que seja feita uma avaliação e possam ser solicitados exames para que seja investigada a possibilidade de cistos no ovário.

Possíveis causas

A SOP não possui causa bem definida, no entanto acredita-se que pode ser favorecida pela interação de diversos fatores, como genética, metabolismo, resistência insulina, alimentação inadequada e falta de prática de atividade física. Além disso, o sobrepeso e a pré-diabetes pode também favorecer a SOP, pois essas situações levam a alterações hormonais, inclusive o aumento dos níveis de testosterona, que é o principal hormônio relacionado com o aparecimento dos cistos.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico de ovário policístico é feito pelo ginecologista de acordo com a avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela mulher e resultado de exames solicitados. O principal exame indicado é a ultrassonografia com o objetivo de verificar o tamanho dos ovários e a presença de cistos.

Além disso, pode ser recomendada a realização de exames de sangue para avaliar a quantidade de hormônios circulantes na corrente sanguínea, como LH, FSH, prolactina, T3, T4 e testosterona, que normalmente está elevado na síndrome dos ovários policísticos.

Como deve ser o tratamento

O tratamento da síndrome do ovário policístico deve ser feito de acordo com a recomendação do médico, podendo ser indicados remédios para aliviar os sintomas, como pílula anticoncepcional ou Flutamida, ou pode ser recomendado o uso de remédios para favorecer a gravidez, como o Clomifeno.

Nos casos mais graves, quando há uma grande quantidade de cistos, aumentando o tamanho do ovário, pode ser recomendada a realização de cirurgia para retirar os cistos ou o ovário. Veja mais detalhes do tratamento para ovário policístico.

Além disso, é importante que a mulher siga uma alimentação adequada, ou seja, que não favorece alterações hormonais e que promovam a sua saúde e bem-estar. Confira no vídeo a seguir algumas dicas de alimentação para ovário policístico:

Fonte tuasaude.com

Protocolo inferior: confira mais sobre esse tipo de prótese aqui

O protocolo inferior é um tipo de prótese fixa feita com o intuito de substituir os dentes inferiores ausentes. As próteses normalmente são procuradas por pessoas que perderam um ou mais dentes e tem o objetivo de repor as funções exercidas por esses dentes. Confira abaixo nosso post a respeito do protocolo inferior: O que …

O post Protocolo inferior: confira mais sobre esse tipo de prótese aqui apareceu primeiro em Clinica OralDents.

Economia solidária gera renda e autonomia a doentes psiquiátricos

Após depressão severa, surtos de esquizofrenia, várias internações e licença médica de cinco anos, Luciana, 45, retornou ao trabalho em uma fábrica de cintos em São Paulo pronta para recomeçar. Mas a volta só durou poucas horas.

“Quando me viu, a dona do lugar me disse: ‘olha, apareceu a funcionária-fantasma’. Aquilo me doeu muito, foi de uma insensibilidade sem tamanho. Comecei a chorar, fiquei mal e fui embora de vez.”

Ela precisou de mais um ano de tratamento no Caps (Centro de Atenção Psicossocial) Butantã, na zona oeste de São Paulo, para se estabilizar de novo. No período, conheceu um projeto de economia solidária e começou a ser preparada para atuar como garçonete de um restaurante ligado à iniciativa, a Comedoria Quiririm.

“No início não foi fácil ter contato com as pessoas. Via as pessoas felizes, dando risada e tinha vontade de sumir. Mas as psicólogas diziam: ‘você consegue, você consegue’. Fui me acostumando, ganhando confiança para recomeçar. Gosto muito do que faço, tenho amor na comida que eu preparo, que eu sirvo. As pessoas gostam de mim, me respeitam.”

Com Risonete, 49, aconteceu o mesmo. Após diagnóstico de depressão, várias tentativas de suicídio e 11 internações em hospitais psiquiátricos, ela fez um curso de agroecologia e hoje é auxiliar da gerência no Orgânicos no Ponto.

O empreendimento comercializa 120 de cestas de produtos orgânicos por semana, entre hortifruti, ovos, pães, sucos e outros. Tudo em parceria com pequenos produtores da região. “O paciente de saúde mental é estigmatizado pelo uso de remédio. Começar a produzir o alimento do outro acaba quebrando esse estigma”, diz ela.

Luciana e Risonete fazem parte de um projeto de economia solidária ligado à Secretaria Municipal da Saúde e que integra a Rede de Atenção Psicossocial (Raps). A iniciativa envolve empreendimentos de geração de trabalho e de renda, além de cooperativas sociais destinadas à reabilitação de pessoas com transtornos mentais.

As atividades presenciais estavam suspensas havia 16 meses devido à pandemia de Covid e foram retomadas recentemente.

“Sentia muita falta do trabalho presencial, de ver a carinha as pessoas. Aparece lá para comer com a gente. Convida as pessoas. A comida é uma delícia”, diz Luciana. Ela ainda convive com crises de crises de ansiedade, mas afirma que, com o uso de remédios e o trabalho, consegue lidar melhor com elas.

Segundo Adriana Oliveira, assessora técnica na divisão de saúde mental da Secretaria Municipal da Saúde, os pontos de economia solidária ligados à reabilitação psicossocial começaram em 2016.

O Ponto Butantã já teve 54 trabalhadores e, atualmente, conta com 25. Além da suspensão de algumas atividades, durante a pandemia muitos pacientes acabaram descompesando suas doenças psiquiátricas e passam por cuidados mentais para voltar ao trabalho.

No Butantã, há um restaurante, uma horta, uma loja de orgânicos, uma livraria, uma loja de artesanato e ateliê de costura. Já no Ponto Benedito Calixto, gerido por 11 pessoas, tem loja social com produtos de cerca de 45 projetos e uma oficina que cria oportunidades e condições para que usuários do programa desenvolvam habilidades em produtos artesanais.

Oliveira explica que muitos pacientes vinculados ao Caps já têm alguma atividade produtiva (de artesanato, por exemplo), mas ainda muito mais ligada ao tratamento do que de fato a uma reinserção socioeconômica, que é o objetivo dos pontos de economia solidária.

“Eles saem daquele lugar de uma pessoa doente, sem autonomia, para um papel social diferente, como alguém que trabalha, que consegue se organizar no coletivo, que tem renda.”

Embora a maioria dos empreendimentos tenham começado dentro de serviços de saúde mental, como os Caps e Centros de Convivência e Cooperativa (Ceccos), a meta é que sejam vistos fora desse contexto.

“Eles fazem parte do projeto de reabilitação, mas são lugares de trabalho, não o lugar em que a pessoa está em tratamento. Esse formato de autogestão possibilita que a pessoa construa a sua autonomia”, explica a psicóloga Alessandra Rosini Carrasco, facilitadora do Ponto de Economia Solidária e Cultura do Butantã.

Carrasco diz que um dos grandes desafios do projeto é que as decisões sejam horizontalizadas, ou seja, que as pessoas possam participar do processo decisório e de gestão dos empreendimentos, ganhando mais autonomia, sem depender tanto da interferência dos profissionais de saúde.

“Algumas pessoas tiveram adoecimento mental muito grave, então não é fácil. A gente propõe um outro tipo de trabalho, que não seja só um ponto de comercialização de produtos, mas sim um polo cultural, que integre meio ambiente, sustentabilidade, saúde mental”, diz a psicóloga.

Ela explica que os projetos contam também com a parceria da comunidade, como uma incubadora da USP e com ajuda de uma equipe do Sesc na qualificação dos profissionais para que as iniciativas tenham de fato viabilidade econômica e sustentabilidade.


Serviço:

Ponto de Economia Solidária e Cultura do Butantã
De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h
Aos sábados e domingos, aberto quando houver eventos
Av. Corifeu de Azevedo Marques, 250, Butantã, São Paulo – SP

Ponto Benedito Economia Solidária e Cultura
De quarta a sexta-feira, das 11h às 18h
Sábado, das 11h às 19h
Ponto também segue agenda da feira e da praça.
A partir de março de 2022, sextas e sábados das 11h às 18h
Praça Benedito Calixto, 112, Pinheiros, São Paulo – SP

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

Predsim: para que serve e como usar

O Predsim é um remédio corticoide, que contém fosfato sódico de prednisolona na sua composição, indicado para o tratamento de alterações hormonais, reumatismo, lúpus ou alergias, assim como problemas na pele ou nos olhos, pois tem potente ação anti-inflamatória, antirreumática e antialérgica.

Esse remédio age controlando a inflamação, por imitar os hormônios corticoides que são produzidos naturalmente pelo corpo nas glândulas supra renais, além de diminuir a resposta do sistema imunológico, o que permite aliviar os sintomas de diversas condições de saúde.

O Predsim pode ser encontrado em farmácias ou drogarias, na forma de comprimido ou xarope, e deve ser usado somente com indicação médica, pois o uso prolongado e indevido deste remédio pode levar ao surgimento de efeitos colaterais, como aumento do colesterol e triglicerídeos, por exemplo.

Predsim: para que serve e como usar

O Predsim é um remédio que age como anti-inflamatório, antialérgico, antirreumático e imunossupressor, indicado para o tratamento de doenças inflamatórias e autoimunes.

As principais indicações do Predsim são:

  • Alterações endócrinas, como insuficiência adrenocortical, hiperplasia adrenal congênita, tireoidite não-supurativa ou hipercalcemia associada ao câncer;
  • Reumatismo, como artrite psoriática ou reumatoide, espondilite anquilosante, bursite, tenossinovite, artrite gotosa aguda, osteoartrite pós-traumática, sinovites osteoartríticas, fibrosite, miosite ou epicondilites;
  • Doenças do colágeno, em casos de lúpus eritematoso sistêmico, polimiosite ou cardite reumática aguda;
  • Doenças de pele, como pênfigo, algumas dermatites, micose fungóide ou psoríase grave;
  • Alergias, como rinite alérgica, pólipo nasal, asma brônquica, bronquite, dermatite de contato e atópica, doenças do soro ou reações alérgicas a medicamentos;
  • Doenças oftálmicas, como conjuntivite alérgica, ceratite, úlcera marginais alérgica da córnea, herpes zoster oftálmico, irite, inflamação do segmento anterior, coroidite e uveíte posterior difusa, oftalmia simpática, coriorretinite, neurite óptica ou iridociclites;
  • Doenças respiratórias, como sarcoidose sintomática, síndrome de Löefler, alguns casos de tuberculose ou pneumonite por aspiração;
  • Distúrbios do sangue, como púrpura trombocitopênica idiopática e trombocitopenia secundária em adultos, anemia hemolítica autoimune, ​​​​​​anemia eritrocítica ou anemia eritroide;
  • Doenças gastrointestinais, como colite ulcerativa ou enterite.

Além disso, o Predsim também pode ser indicado para o tratamento de alguns tipos de câncer como leucemias e linfomas.

O uso do Predsim deve ser orientado pelo médico com doses individualizadas de acordo com a condição a ser tratada.

O Predsim deve ser usado por via oral, sendo que as doses e a forma de tomar variam de acordo com a doença a ser tratada, peso, idade e a apresentação do medicamento, devendo sempre ser orientado pelo médico.

1. Predsim gotas 11 mg/mL

A dose inicial de Predsim gotas 11 mg/mL para adultos pode variar de 5 a 60 mg por dia, sendo que a dose máxima recomendada é de 80 mg por dia.

Para crianças, a dose do Predsim gotas deve ser calculada pelo pediatra, de acordo com a condição a ser tratada, idade, peso ou superfície corporal da criança.

Cada gota do Predsim equivale a 0,55 mg de prednisolona. A dose deve ser reduzida gradualmente ao longo do tratamento, se este durar por vários dias.

2. Predsim xarope 3 mg/mL

O Predsim xarope 3 mg/mL deve ser tomado por via oral e a dose deve ser medida com a seringa dosadora fornecida na embalagem.

As doses normalmente recomendadas para adultos variam de 5 e 60 mg por dia. Já para crianças, a dose do Predsim deve ser calculada pelo pediatra de acordo com o peso ou superfície corporal da criança.

As doses do Predsim xarope devem ser reduzidas gradualmente ao longo do tratamento, com orientação do médico, quando este remédio for administrado por vários dias.

3. Predsim comprimido

O Predsim comprimido deve ser tomado por via oral, com um copo de água, sendo que a dose normalmente recomendada para adultos pode variar entre os 5 e 60 mg por dia.

Já para crianças, a dose do Predsim deve ser calculada pelo pediatra, pois pode variar entre 0,14 e 2 mg por Kg de peso corporal por dia, ou de 4 a 60 mg por metro quadrado de superfície corporal por dia.

Os horários e o tempo de tratamento com Predsim também podem variar de acordo com a condição a ser tratada, e devem ser feitos com orientação médica.

O Predsim comprimido pode ser encontrado em diferentes dosagens, de 5 mg, 20 mg ou 40 mg.

As doses do Predsim comprimido devem ser reduzidas gradualmente ao longo do tratamento, com orientação do médico, quando este remédio for administrado por vários dias.

Alguns dos efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer durante o tratamento com o Predsim são aumento do apetite e indigestão, úlcera gástrica ou duodenal, com possível perfuração e sangramento, pancreatite, esofagite ulcerativa, nervosismo, cansaço e insônia, reação alérgica localizada, catarata, aumento da pressão intraocular, glaucoma, assim como facilidade para desenvolver infecções ocular por fungos e vírus.

Além disso, também pode ocorrer pré-diabetes ou diabetes em pessoas com tendência à diabetes, ou piora do controle da glicemia, podendo ser necessário aumentar a dose de insulina ou medicamentos antidiabéticos orais.

O Predsim não deve ser usado por pessoas com infecções sistêmicas por fungos, alergia à prednisolona, a outros corticoides ou a qualquer componente de sua fórmula.

Além disso, também não deve ser usado por pessoas que estão fazendo tratamento com fenobarbital, fenitoína, rifampicina ou efedrina, pois reduz a eficácia desses remédios.

No caso de crianças, mulheres grávidas ou lactantes, o Predsim só deve ser usado com indicação do médico.

Fonte tuasaude.com

Conheça o ranking das cirurgias mais buscadas por quem sofre bullying

Conheça o ranking das cirurgias mais buscadas por quem sofre bullying

O bullying é uma palavra de origem inglesa, que pode ser definido como um conjunto de violências, sejam elas verbal, física ou psicológica, que se repete por um determinado período. Na maioria dos casos, essa humilhação tem o poder de intimidar e traumatizar a vítima de uma forma que ficam marcas pelo resto de sua vida, podendo desencadear depressão e distúrbios comportamentais.

As vítimas que passam por esse tipo de bullying são chamadas por apelidos vexatórios, principalmente quando essa pessoa possui o nariz desproporcional ao rosto, orelhas “de abano”, estar acima do peso, entre outros detalhes e problemas que podem despertar a crueldade das pessoas. Por isso, na maioria dos casos, as pessoas que passam por isso, buscam a cirurgia plástica como uma alternativa para minimizar os traumas causados pelo bullying.

Três cirurgias mais buscadas por quem sofre bullying

Segundo dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o número de procedimentos estéticos em jovens cresceu mais de 140%, sendo que a maioria deles está relacionado com a realização de cirurgias plásticas. Entre as justificativas eles citaram insatisfação com a própria imagem e, devido ao padrão estipulado pela sociedade, principalmente dentro das redes sociais.

Dentre as cirurgias mais buscadas podemos citar 5 delas:

  1. Bariátrica

A obesidade pode ser definida como o acúmulo de gordura corporal presente no indivíduo, e a procura por cirurgia bariátrica e está no topo do ranking das cirurgias mais buscadas, principalmente pelas vítimas de bullying. Esse grave problema deve ser acompanhado tanto em crianças quanto nos adultos.

Suas causas podem ser por diversos fatores, assim como:

  • Genética;
  • Hábitos alimentares ruins;
  • Disfunções endócrinas.

É extremamente importante, nesses casos, contar com o acompanhamento de um especialista para que ele consiga orientar o paciente da melhor forma possível e direcioná-lo para outros profissionais caso necessário, assim como um nutricionista e um psicólogo.

  1.  Otoplastia

A segunda cirurgia mais buscada pelas vítimas de bullying, a otoplastia é indicada para quem deseja realizar a correção das orelhas de abano ou as que causam algum tipo de desconforto estético à pessoa. O foco dessa cirurgia plástica é tanto estético quanto funcional, e o cirurgião preza pela forma das orelhas, volume e pela posição, de modo que ele consiga harmonizar as orelhas com o rosto do paciente.

De modo geral, o incômodo do paciente com relação às suas orelhas é o que determina a necessidade de realizar a otoplastia. Ela pode ser realizada em crianças a partir dos seis anos, uma vez que na idade da pré-escola o crescimento das orelhas chega a quase 100% do seu tamanho final.

  1. Rinoplastia

Esse tipo de cirurgia é realizado no nariz e tem diversas indicações, tanto para as pessoas que desejam diminuir o seu tamanho, quanto para mudar a sua estrutura. A rinoplastia também está entre as cirurgias mais buscadas, podendo ser realizada a partir do completo desenvolvimento do paciente, ou seja, após os 16 anos de idade.

De acordo com a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), 64,5% das pessoas que se submetem a esse tipo de intervenção são jovens de 19 a 34 anos. E existem diversos tipos de subtipos de cirurgias do nariz, entre elas podemos citar:

  • Rinoplastia estética;
  • Rinoplastia funcional;
  • Rinoplastia ética;
  • Rinoplastia pós-traumática ou reconstrutiva;
  • Rinoplastia secundária ou revisional.

Vale ressaltar que antes de recorrer a esse tipo de procedimento, é preciso contar com a ajuda de um profissional especializado para ajudar nessa tarefa e empedrar esse indivíduo sobre seus direitos, recuperando a sua autoestima, autoconfiança, a fim de conseguir se posicionar frente às adversidades.