Variantes do coronavírus são rebatizadas com as letras do alfabeto grego

A OMS (Organização Mundial da Saúde) anunciou nesta segunda-feira (31) que as variantes do coronavírus serão rebatizadas seguindo a ordem das letras do alfabeto grego, em uma tentativa de dimimuir o estigma e ao mesmo tempo simplificar a comunicação.

As variantes são conhecidas hoje por uma combinação de letras e números ou pelo local onde foram detectadas pela primeira vez.

Quatro delas são variantes de preocupação, ou VOC, sigla utilizada para descrever formas do vírus com mutações que podem causar estrago do ponto de vista de saúde pública: as variantes do Reino Unido (B.1.1.7), da África do Sul (B.1.351), do Brasil (P.1) e da Índia (B.1.617.2).

Elas passarão a ser chamadas de Alpha, Beta, Gamma e Delta, respectivamente, de acordo com a ordem em que foram descobertas. As demais variantes que forem surgindo seguirão o resto do alfabeto grego.

“Embora tenham suas vantagens, esses nomes científicos podem ser difíceis de pronunciar e recordar e podem levar à publicação de informações erradas”, afirmou a OMS, ao explicar a decisão.

A iniciativa de mudar a nomenclatura das variantes foi tomada após meses de discussões. Segundo o bacteriologista Mark Pallen, que participou das conversas, outra possibilidade estudada foi rebatizá-las de acordo com os nomes de deuses gregos. No entanto, muitos deles já emprestavam seus nomes para empresas ou marcas comerciais.

Historicamente, os vírus sempre estiveram associados com as localidades onde emergiram –como ebola, batizado com o nome de um rio congolês. No entanto, isso levou por vezes a incorreções, como a gripe espanhola, cujas origens na verdade são desconhecidas.

“Nenhum país deveria ser estigmatizado por detectar e reportar variantes”, afirmou a epidemiologista da OMS Maria Van Kerkhove.

Os nomes de cada uma das novas variantes do coronavírus são:

– Alpha: B.1.1.7 ou Reino Unido

– Beta: B.1.351 ou África do Sul

– Gamma: P.1 ou Brasil

– Delta: B.1.617.2 ou Índia

– Epsilon: B.1.427 / B.1.429 ou EUA

– Zeta: P.2 ou Brasil

– Eta: B.1.525

– Theta: P.3 ou Filipinas

– Iota: B.1.526 ou EUA

– Kappa: B.1.617.1 ou Índia ​

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

9 remédios caseiros para tendinite

Os remédios caseiros para tendinite possuem ação anti-inflamatória e analgésica que ajudam a aliviar os sintomas de dor, inchaço ou vermelhidão causados pela inflamação dos tendões. Esses remédios podem ser usados sobre a pele, como o cataplasma de babosa ou a pomada de pimenta caiena, ou ingeridos na forma de chá, como o chá de gengibre ou o chá de salgueiro branco, por exemplo.

A tendinite é uma inflamação no tendão que pode surgir em qualquer parte do corpo, sendo mais comum na mão, ombro, cotovelo, joelho ou tornozelo, causando dor localizada, dificuldade em movimentar o membro afetado, inchaço ou vermelhidão no local. Saiba identificar todos os sintomas da tendinite.

Os remédios caseiros são uma boa opção para ajudar a aliviar a dor e o inchaço causado pela tendinite e, embora não sirvam para substituir o tratamento médico, podem ser usados para complementar o tratamento indicado pelo ortopedista.

1. Chá de gengibre

9 remédios caseiros para tendinite

O gengibre, cientificamente chamado de Zinger officinalis, é rico em substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes como gingerol, chogaol e zingerona, sendo muito útil para aliviar os sintomas da tendinite como dor, inchaço e vermelhidão. Conheça outros benefícios do gengibre.  

Ingredientes

  • 1 cm da raiz de gengibre cortada em rodela ou ralada;
  • 1 litro de água fervente.

Modo de preparo

Colocar a água para ferver e adicionar o gengibre. Deixar ferver por 5 a 10 minutos. Retirar o gengibre da xícara e beber o chá em 3 a 4 doses divididas ao longo do dia.

Outra opção para fazer o chá é substituir a raiz por 1 colher de chá de gengibre em pó.

Este chá deve ser evitado por pessoas com úlcera de estômago, pois possui propriedades anticoagulantes que podem aumentar o sangramento ou hemorragia.

2. Chá de cúrcuma

9 remédios caseiros para tendinite

O chá de cúrcuma, também chamado de açafrão, é rico em curcumina, uma substância com propriedade anti-inflamatória potente, que age diminuindo os sintomas da inflamação nos tendões como dor, inchaço ou vermelhidão, sendo um ótimo remédio caseiro para tendinite e bursite.

Ingredientes

  • 1 colher rasa (de chá) de cúrcuma em pó (200 mg);
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo

Colocar a água para ferver e adicionar cúrcuma. Deixar ferver por 5 a 10 minutos. Coar o chá e beber. Pode-se beber de 2 a 3 xícaras de chá de cúrcuma por dia.

Outra opção é consumir a cúrcuma na forma de cápsulas, que pode ser usada tomando 2 cápsulas de 250 mg a cada 12 horas, totalizando 1 g por dia.

Este chá ou as cápsulas de cúrcuma não devem ser usados por pessoas que tomam anticoagulantes, como varfarina, clopidogrel ou ácido acetilsalicílico, pois pode aumentar o risco de sangramentos ou hemorragias.

3. Óleo essencial de boswellia

9 remédios caseiros para tendinite

O óleo essencial de boswellia possui fortes propriedades anti-inflamatórias e analgésicas, reduzindo a dor, o inchaço e a vermelhidão no tendão, sendo uma boa opção de remédio caseiro para tendinite.

Este óleo deve ser usado somente sobre a pele e não deve ser ingerido.

Ingredientes

  • 1 a 3 gotas de óleo essencial de boswellia;
  • 5 mL de óleo de côco.

Modo de preparo

Misturar os ingredientes e aplicar sobre a área com tendinite, 1 vez ao dia, massageando suavemente. Lavar as mãos em seguida e evitar contato com olhos, nariz, boca e ouvidos.

Antes de usar, deve-se verificar se a pessoa não apresenta reação alérgica ao óleo de boswellia. Para isto, deve-se aplicar a mistura em uma pequena área na pele. Se a pele ficar irritada, vermelha ou coçando, deve-se enxaguar a pele e retirando o óleo com água e sabão imediatamente e não se deve usar o óleo de boswellia para a tendinite.

4. Chá de salgueiro branco

9 remédios caseiros para tendinite

O salgueiro branco, conhecido cientificamente como Salix alba, é rico em salicina, uma substância semelhante ao ingrediente principal da aspirina, com ação anti-inflamatória e analgésica potentes, e, por isso, o chá da casca desta planta pode ser uma boa opção para aliviar a dor causada pela tendinite.

Ingredientes

  • 2 colher (de chá) de cascas de salgueiro branco;
  • 2 xícaras de água.

Modo de preparo

Colocar a água para ferver e adicionar a casca de salgueiro. Deixar ferver por 10 minutos, coar e beber até 2 xícaras por dia.

Este chá não deve ser consumido por crianças, por mulheres grávidas ou em amamentação, por pessoas que têm alergia à aspirina ou que estejam usando anticoagulantes. Além disso, o uso do chá de casca de salgueiro branco não é indicado para pessoas com problemas gastrointestinais, como úlceras, gastrite, refluxo gastroesofágico, colite ou diverticulite.

5. Pomada de arnica

9 remédios caseiros para tendinite

Por conter helenalina na sua composição, com uma potente ação anti-inflamatória, a arnica ajuda a bloquear a produção de proteínas responsáveis pela inflamação dos tendões em pessoas com tendinite e a aliviar a dor e o inchaço no tendão. 

Ingredientes

  • 5 g de cera de abelha; 
  • 45 mL de óleo de oliva ou óleo de amêndoas doces;
  • 4 colheres de folhas e flores secas de arnica picadas.

Modo de preparo

Colocar os ingredientes numa panela em banho maria e deixar ferver em fogo baixo durante alguns minutos. A seguir, apagar o fogo e deixar os ingredientes dentro da panela por algumas horas para liberar as substâncias ativas. Antes de esfriar, coar e armazenar a parte líquida um recipiente de vidro limpo e seco com tampa. Manter o vidro sempre num local seco, escuro e arejado. Esta pomada tem validade de até 1 ano e pode ser aplicada sobre a pele, na região com tendinite, de 2 a 3 vezes por dia.

6. Banho de imersão com sais de Epsom

9 remédios caseiros para tendinite

Os sais de Epsom são ricos em sulfato de magnésio que é facilmente absorvido pela pele, facilitando a circulação do sangue, eliminando toxinas, relaxando os músculos e reduzindo o inchaço e a inflamação, o que pode ajudar a aliviar a dor causada pela tendinite no braço, nos ombros ou no quadril, por exemplo. 

Estes sais devem ser usados somente para banho e não devem ser consumidos.

Ingredientes

  • ½ xícara de sais de Epsom;
  • 2 a 3 litros de água morna.

Modo de preparo

Colocar os sais de Epsom em um recipiente com água morna, mexer até que os sais estejam bem diluídos. Adicionar essa solução na água da banheira e ficar imerso por aproximadamente 15 a 20 minutos.

Outra forma de usar os sais de Epsom é em escalda pés, no caso de tendinite no tornozelo ou nos pés, por exemplo. Neste caso, usar ½ xícara de sais de Epsom em 2 a 3 litros de água morna ou uma quantidade de água deve ser suficiente para cobrir os pés e chegar até, pelo menos, o meio da panturrilha. Diluir bem os sais, mexendo a água com a mão e colocar os pés no interior da água durante cerca de 15 minutos. Este processo pode ser feito por até 3 vezes por semana.

7. Vinagre de maçã

O vinagre de maçã possui propriedades anti-inflamatórias, sendo outra boa opção de remédio caseiro para tendinite, pois ajuda a aliviar a dor e a inflamação nos tendões e pode ser aplicado diretamente no local lesionado ou ingerido. 

Ingredientes

  • 1 a 2 colheres de sopa de vinagre de maçã;
  • 1 copo de água.

Modo de preparo

Diluir o vinagre de maçã no copo de água e beber em seguida. É importante lavar a boca com água após beber a solução de vinagre de maçã e, para prevenir o desgaste do esmalte dos dentes, deve-se escovar os dentes 30 minutos após beber a solução de vinagre de maçã.

Outra opção é usar essa solução em compressas aplicadas diretamente no músculo dolorido. 

O vinagre de maçã pode ser feito em casa com ingredientes naturais ou comprado em supermercados. Saiba como fazer o vinagre de maçã em casa.

Assista o vídeo com a nutricionista Tatiana Zanin com outras dicas de alimentos bons para aliviar os sintomas da tendinite:

8. Pomada de pimenta caiena

A pomada de pimenta caiena é rica em capsaicina, uma substância com ação anti-inflamatória e analgésica, que ajuda a combater os sintomas de dor e inchaço causados pela tendinite.

Ingredientes

  • 5 g de cera de abelha; 
  • 45 mL de azeite de oliva ou óleo de amêndoas;
  • 1 colher (de chá) de pimenta caiena.

Modo de preparo

Colocar os ingredientes numa panela em banho maria e deixar ferver em fogo baixo até que a cera de abelha derreta. Apagar o fogo e deixar repousar por algumas horas para que se possa extrair a capsaicina da pimenta caiena. Quando estiver morna, coar e armazenar em um recipiente de vidro com tampa, limpo e seco. Manter o vidro sempre num local seco, escuro e arejado. 

Aplicar a pomada de pimenta caiena no tendão afetado, 1 vez por dia, utilizando uma gaze ou algodão, fazendo movimentos suaves, deixando agir por 30 minutos. Lavar as mãos em seguida e evitar contato das mãos com boca, olhos e nariz. Ao fim dos 30 minutos, retirar a pomada lavando a região com bastante água.

Esta pomada não deve ser usada imediatamente antes ou depois do banho, natação, de tomar sol ou fazer exercícios físicos. Além disso, a pomada de pimenta caiena não deve ser aplicada na pele com feridas, cortes, arranhões, queimaduras de sol ou em olhos, boca, narinas ou órgãos genitais. 

9. Cataplasma de babosa 

9 remédios caseiros para tendinite

A babosa, chamada cientificamente de Aloe vera, tem ação anti-inflamatória, sendo uma boa opção para combater os sintomas da tendinite como inchaço e dor no tendão. 

Este cataplasma deve ser usado sobre a pele e não deve ser ingerido.

Ingredientes

  • Gel transparente da folha de babosa fresco.

Modo de preparo

Abrir uma folha de babosa e retirar seu gel, adicionar numa gaze e aplicar sobre a pele na região com tendinite, cobrindo com uma gaze. Deixe atuar durante cerca de 15 minutos, 2 vezes ao dia.

Ao preparar este cataplasma, é importante não usar a casca da folha da babosa, que tem efeitos tóxicos, mas apenas o gel transparente que tem dentro da folha.

Fonte tuasaude.com

Estudo em Serrana (SP) indica que pandemia pode ser controlada com 75% da população vacinada

Um estudo realizado em Serrana (SP) indica que a pandemia pode ser controlada com 75% da população vacinada.

A conclusão foi divulgada pelo Fantástico, da TV Globo, que trouxe dados do estudo feito pelo Instituto Butantan.

A cidade do interior paulista, na região metropolitana de Ribeirão Preto, passou por estudo sobre as consequências da vacinação em massa da população. O chamado projeto S, idealizado pelo Instituto Butantan consiste em analisar o impacto e a eficácia da vacinação na redução de casos do novo coronavírus e no controle da pandemia.

Com 45 mil habitantes, o município teve os moradores divididos em quatro grupos, nomeados pelas cores verde, amarela, cinza e azul. Os grupos foram vacinados isoladamente, com uma semana de diferença.

Segundo as informações da reportagem, o controle da pandemia se deu após três dos quatro grupos serem vacinados. A esta altura, cerca de 75% da população havia recebido as duas doses.

Houve registro de 699 casos em março, contra 251 em abril. Já as mortes passaram de 30 para seis no mesmo período.

Atualmente, quase toda a população acima de 18 anos da cidade recebeu as duas doses de Coronavac. O número de mortes caíu 95% na cidade. Os casos sintomáticos caíram 80%, enquanto as hospitalizações tiveram redução de 86%.

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

7 benefícios da cenoura para saúde

A cenoura é uma raiz que é uma excelente fonte de carotenoides, potássio, fibras e antioxidantes, os quais proporcionam diversos benefícios para a saúde. Além de promover a saúde visual, também ajuda a evitar o envelhecimento precoce, melhorar o sistema imune e a prevenir alguns tipos de câncer.

Pode ser consumida crua, cozida ou em suco e pode ser encontrada com diversas cores: amarelas, laranjas, roxas, vermelhas e brancas. A principal diferença entre elas está na sua composição: a laranja é a mais comumente encontrada e é rica em alfa e beta carotenos, que são responsáveis pela produção de vitamina A, enquanto que as amarelas possuem maior concentração de luteína, as roxas são ricas em um poderoso antioxidante, o licopeno, e as vermelhas são ricas em antocianinas.

7 benefícios da cenoura para saúde

Alguns benefícios da cenoura para a saúde são:

1. Melhorar a digestão

A cenoura é rica em fibras solúveis e insolúveis, como a pectina, celulosa, lignina e hemicelulose, que ajudam a combater a prisão de ventre porque aumentam o volume das fezes, além de diminuir o trânsito intestinal e ajudar a estimular a multiplicação das bactérias boas no intestino.

2. Prevenir o envelhecimento precoce e o câncer

Por ser rica em antioxidantes, como a vitamina A e os polifenóis, evita o dano celular ocasionado pelos radicais livres, prevenindo não só o envelhecimento precoce, mas também diminuindo o risco de câncer de pulmão, mama e estômago. Além disso, possui uma substância chamada falcarinol, que também pode diminuir o risco de câncer de cólon.

3. Manter o bronzeado e cuidar da pele

Consumir cenoura durante o verão pode ajudar a manter o bronzeado durante mais tempo, já que os beta-carotenos e a luteína estimulam a pigmentação da pele, favorecendo o seu bronzeamento natural. Além disso, o beta-caroteno pode exercer um efeito protetor contra os raios UV, no entanto seu efeito depende da quantidade ingerida antes da exposição ao sol. A ingestão de 100 g de suco de cenoura contém 9,2 mg de beta-caroteno e a cenoura cozida cerca de 5,4 mg.

4. Ajuda a baixar o peso

Incluir a cenoura diariamente na alimentação ajuda a aumentar a saciedade, já que uma cenoura crua média possui cerca de 3,2 gramas de fibras. Além disso, possui poucas calorias, podendo ser incluída em saladas tanto cruas como cozidas, no entanto o seu consumo sozinho não promove a diminuição do peso, devendo ser feita com uma dieta baixa em calorias, gorduras e açúcares.

Além disso, as cenouras cruas possuem um baixo índice glicêmico (IG) e, por isso, mantém a glicemia controlada, o que favorece a perda de peso, além de ser uma excelente opção para pessoas diabéticas. No caso da cenoura cozida ou em forma de purê, o IG é um pouco maior e, por isso, o consumo não deve ser tão frequente.

5. Proteger a visão

A cenoura é rica em beta-carotenos, que são substâncias precursoras da vitamina A. No caso das cenouras amarelas, que contém luteína, conseguem exercer uma ação protetora contra a degeneração macular e as cataratas.

6. Fortalecer o sistema imunológico

A vitamina A presente nas cenouras podem melhorar a resposta anti-inflamatória do organismo devido ao seu efeito antioxidante. Além disso, estimula as células de defesa, ajudando a fortalecer o sistema imune. O consumo de cenouras também pode melhorar o mecanismo de defesa da mucosa oral, aumentar a integridade da mucosa intestinal e ajudar a manter a morfologia das células, sendo importante destacar que o trato gastrointestinal é uma peça chave do sistema imune.

7. Proteger contra doenças cardiovasculares

Os beta-carotenos presentes na cenoura protegem o organismo evitando o aparecimento de doenças cardiovasculares, pois inibe o processo de oxidação do colesterol mau, o LDL, e modifica sua absorção a nível intestinal devido ao seu alto teor de fibras.

Informação nutricional e como usar

A tabela a seguir traz a composição nutricional em 100 g de cenoura crua e cozida.

Componentes Cenoura Crua Cenoura Cozida
Energia 34 kcals 30 kcal
Carboidratos 7,7 g 6,7 g
Proteínas 1,3 g 0,8 g
Gorduras 0,2 g 0,2 g
Fibras 3,2 g 2,6 g
Cálcio 23 mg 26 mg
Vitamina A 933 mcg 963 mcg
Caroteno 5600 mcg 5780 mcg
Vitamina B1 50 mcg 40 mcg
Potássio 315 mg 176 mg
Magnésio 11 mg 14 mg
Fósforo 28 mg 27 mg
Vitamina C 3 mg 2 mg

Receitas com cenoura

A cenoura pode ser consumida crua em saladas ou sucos, ou cozida, podendo ser acrescentada em bolos, sopas e em ensopados para preparar carne ou peixes. Para obter esses benefícios é importante consumir pelo menos 1 cenoura por dia.

É importante mencionar que a absorção de beta-carotenos é mais efetiva quando a cenoura é cozida, por isso é possível alternar entre a crua e a cozida.

1. Bolinhos de cenoura

7 benefícios da cenoura para saúde

Ingredientes

  • 2 ovos;
  • 1 xícara de farinha de amêndoas;
  • 1 xícara de farinha de aveia;
  • 1/4 de xícara de azeite de coco ou de canola;
  • 1/2 de adoçante ou 1 xícara de açúcar mascavo;
  • 2 xícaras de cenoura ralada;
  • 1 punhado de nozes trituradas;
  • 1 colher de chá de fermento em pó;
  • 1 colher de chá de canela;
  • 1 colher de chá de baunilha.

Modo de preparo

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Em um recipiente deve-se misturar os ovos, o azeite, o adoçando ou o açúcar e a baunilha. Adicionar a farinha de amêndoas e de aveia e misturar. Em seguida, adicionar a cenoura ralada, o fermento em pó, a canela e as nozes trituradas e misturar.

Colocar a mistura em uma forma de silicone e deixar no forno por cerca de 30 minutos.

2. Patê de cenoura assada com queijo feta

500 gramas de cenoura descascada e cortada em rodelas grandes;

100 mL de azeite de oliva extra virgem;

1 colher de chá de cominho;

115 gramas de queijo feta e queijo de cabra fresco;

Sal e pimenta a gosto;

1 raminho de coentro fresco picado.

Modo de preparo

Pré-aquecer o forno a 200ºC. Colocar as cenouras em uma bandeja com o azeite de oliva, tapar com uma folha de alumínio e levar ao forno por 25 minutos. Ao fim desse tempo, colocar por cima das cenouras o cominho e deixar no forno por cerca de 15 minutos ou até a cenoura ficar macia.

Em seguida, deve-se esmagar a cenoura com um garfo e misturá-la com o azeite de oliva até que vire um purê. Temperar com sal e pimenta a gosto e adicionar o queijo feta cortado em pedaços e coentro picado.

3. Suco de vegetais com cenoura

7 benefícios da cenoura para saúde

Ingredientes

  • 5 cenouras médias;
  • 1 maçã pequena;
  • 1 beterraba média.

Modo de preparo

Lavar bem as cenouras, maçã e beterraba, cortar em pequenos pedaços, misturá-los e depois colocar no liquidificador para que seja feito o suco.

Fonte tuasaude.com

Borrachinha de aparelho: quais são as cores mais usadas?

Hoje são vários os tipos de borrachinha de aparelho e cores, dentre elas há as mais usadas para o tratamento odontológico, que geralmente são mais agradáveis quanto a aparência. Essas cores de aparelho são normalmente utilizadas para tratamentos ortodônticos que envolvam a utilização de aparelhos metálicos. Para escolher a borrachinha ideal depende de vários fatores, …

O post Borrachinha de aparelho: quais são as cores mais usadas? apareceu primeiro em Clinica OralDents.

Pancadões da Covid viram alvo de força-tarefa em Araraquara

A pandemia da Covid-19 tem feito com que muitos organizadores de festas clandestinas desafiem a fiscalização, transferindo eventos de lugar para driblar equipes de combate aos eventos e recebendo fiscais a tiros.

É o que tem ocorrido em Araraquara (a 273 km de São Paulo), onde uma força-tarefa que envolve equipes da Guarda Civil Municipal, das Vigilâncias Sanitária e Epidemiológica, do Procon, do setor de posturas e da sala do empreendedor, com apoio da Polícia Militar, tem atuado para coibir festas clandestinas até mesmo em meio a lavouras de cana-de-açúcar.

Monitoramento em redes sociais, denúncias recebidas da população e patrulhamento constante são as estratégias que as equipes adotaram para coibir as festas na cidade que se tornou símbolo no estado do avanço da variante brasileira do coronavírus, considerada mais agressiva e apontada como responsável pelo crescimento expressivo da doença entre pessoas com menos de 40 anos.

São registrados com frequência problemas com festas clandestinas em bares e reuniões em áreas de lazer e chácaras, mas os pancadões preocupam mais devido às grandes aglomerações formadas. Seis em cada dez casos do novo coronavírus atingem pessoas de 20 a 49 anos na cidade.

O principal problema nas últimas semanas está no bairro Monte Carlo, onde centenas de jovens se reuniam para pancadões, desafiando os decretos de restrições mesmo durante o lockdown decretado na cidade entre o fim de fevereiro e início de março.

“Já é a terceira semana seguida que ocupamos o espaço e eles migram para o interior de estradas de terra, para o meio do canavial”, afirmou o secretário da Segurança Pública de Araraquara, João Alberto Nogueira Junior.

Com a transferência dos eventos para estradas de terra cercadas de lavouras de cana-de-açúcar, a fiscalização também foi obrigada a migrar, ampliando a área de atuação.

“Até disparo de arma de fogo houve contra a polícia antes, mas foram dispersados e não realizaram o evento”, disse o secretário.

A avaliação de Nogueira Junior é que as ações têm dado resultado, já que não há por enquanto a tentativa de realização do pancadão neste final de semana.

As pessoas e veículos envolvidos foram identificados e enviados para a Polícia Civil, para a apuração de crime contra a saúde pública.

No último fim de semana, foram registradas infrações em chácaras no Portal das Laranjeiras e no Parque Tropical, além de auto de infração e duas multas a um dono de bar que fazia festa clandestina com música ao vivo.

As equipes da força-tarefa tiveram de ir duas vezes ao local, durante a tarde e a noite de domingo, para conseguir dispersar todas as pessoas que participavam do evento.

A cidade, a primeira a decretar lockdown, ainda em fevereiro, por conta da explosão de casos, internações e mortes, colocou em vigor na última segunda (24) um decreto que estipula índices para a adoção de restrições no comércio e até mesmo um novo lockdown.

Se o total de casos positivos da Covid-19 ultrapassar 30% dos pacientes sintomáticos testados (ou 20% nos testes em geral, incluindo assintomáticos) por três dias seguidos ou cinco alternados em uma semana, o atendimento presencial no comércio será suspenso por no mínimo sete dias. A volta só acontecerá depois de três dias seguidos com índices abaixo de 20% (sintomáticos) ou 15% (na testagem geral).

Além disso, quando a positividade atingir 20% dos sintomáticos, o que ocorreu na quinta (27), um alerta será emitido pela prefeitura. Nesta quinta, foram 61 casos, 9,7% dos 628 exames feitos. Considerando somente os sintomáticos, que procuraram os serviços de saúde, o índice alcançou 20,2% das 291 amostras —as demais fazem parte de um programa de testagem em massa da prefeitura.

“A cidade sabe exatamente o que precisa fazer para evitar o lockdown, e também sabe o que precisa fazer para retornar as atividades econômicas”, afirmou o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT).

A proposta do decreto é um pacto social feito com a cidade, diz ele. “Se chegar perto [de um lockdown] foi porque o índice aumentou. Para abrir, tem de baixar o índice de positividade.”

Edinho afirmou que a ampliação das testagens integra um plano que contempla as blitze da força-tarefa e barreiras sanitárias.

“Vamos testar todos os segmentos econômicos, todas as regiões da cidade. Infelizmente tudo com recursos próprios. Estamos gastando recurso próprio para enfrentar a pandemia, infelizmente sem nenhum repasse para essa política.”

Além de Araraquara, outras cidades do interior paulista implantaram equipes específicas para combater as festas clandestinas e irregularidades ligadas às medidas de contenção da pandemia.

Em Franca (a 400 km de São Paulo), logo no primeiro dia de um lockdown de 15 dias iniciado nesta quinta-feira (27), a Patrulha Covid interditou uma festa particular.

O cenário da pandemia na cidade é crítico, já que há 59 pacientes no pronto-socorro Álvaro Azzuz aguardando vaga de transferência para hospitais, 47 deles para UTIs. Dez deles estão intubados.

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

Estados e municípios citam agravamento da pandemia e pedem R$ 40 bi extras ao orçamento da Saúde

Representantes dos secretários estaduais e municipais de Saúde enviaram um ofício ao Ministério da Saúde em que apontam “sinais claros” de agravamento da epidemia no país e apontam a necessidade de que haja ao menos R$ 40 bilhões de crédito adicional ao Orçamento da pasta neste ano.

Segundo os gestores, o recurso deve ser transferido para reforço, na ponta, do atendimento hospitalar, custeio de serviços da atenção básica e vigilância e compra de insumos, remédios e equipamentos.

No ofício, assinado pelo Conass e pelo Conasems, conselhos que representam gestores estaduais e municipais do SUS, o grupo cita dados da Fiocruz que apontam que 18 estados têm ocupação de leitos maior que 80%, e pede que a pasta agilize a busca por recursos extras para apoio a estados e municípios.

O pedido foi reforçado em reunião com representantes do Ministério da Saúde nesta quinta-feira (27). Na ocasião, parte dos secretários citou preocupação diante do risco de uma terceira onda da Covid.

“Estamos olhando no horizonte e estamos claramente vendo uma escalada [de casos]. Se vai vir um terceiro degrau ou uma terceira onda, chamem como quiser, mas o certo é que está parecendo que virá, e os estados estão esgotados”, disse Carlos Lula, secretário de saúde do Maranhão e presidente do Conass. “Vai ficar ainda mais difícil se não nos sensibilizarmos e entender que precisamos de recursos agora. O SUS não vai aguentar os próximos meses se não tiver ajuda.”

Segundo ele, um primeiro pedido por recurso extras no Orçamento para repasse aos estados e municípios neste ano foi feito em março, também em ofício, mas não teve resposta.

Apesar dos alertas de piora na crise sanitária em 2021, o governo reservou inicialmente menos recursos para a Saúde neste ano do que em 2020, primeiro ano da pandemia, como mostrou a Folha em abril.

Isso ocorre porque o valor não considerou a necessidade de recursos adicionais por causa da pandemia, o que já havia levado a créditos adicionais em 2020, apontam gestores.

Ao sancionar o Orçamento, o presidente Jair Bolsonaro também impôs vetos que retiraram R$ 2,2 bilhões de recursos da pasta —o que fez o total passar de R$ 146 bilhões para R$ 144 bilhões.

A Saúde, porém, tem dito que há espaço para solicitar recursos extras conforme necessário, o que tem ocorrido. Secretários, porém, dizem que há dificuldade de recursos na ponta.

No novo ofício, os gestores argumentam que o subfinanciamento do SUS se agravou com a pandemia e com a redução no orçamento.

“Diante do cenário gravíssimo em que estamos, e no intuito de que o Sistema Único de Saúde continue respondendo de forma efetiva ao enfrentamento da pandemia da Covid-19, é preciso que os recursos para o financiamento do SUS previstos no orçamento do Ministério da Saúde, por meio da Lei Orçamentária Anual/2021, atendam as demandas dos entes federados para a oferta das ações e serviços públicos de saúde em todo território brasileiro”, disse o grupo no ofício.

O pedido foi reforçado por outros secretários durante o encontro com a Saúde. Alguns deles, porém, fizeram ressalvas à definição de “nova onda”.

“Falam que estamos entrando na terceira onda, mas acho que nem saímos da primeira. Nosso alerta é no sentido de estarmos atentos ao recrudescimento da pandemia nesse momento”, disse o presidente do Conasems, Willames Freire.

“Para 2021, vamos precisar de muito mais recursos do que tivemos em 2020. O pleito apresentado, e que queremos apresentar ao presidente e Congresso, é de necessidade de aporte financeiro e renovação de recursos de Orçamento de guerra que tivemos em 2020. É mais do que necessário e urgente”, afirmou.

À Folha o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, disse que vai discutir a demanda dos secretários de saúde com o Ministério da Economia.

Nos últimos meses, a pasta já tem feito pedidos por créditos adicionais. Segundo a Economia, já foram disponibilizados R$ 37,9 bilhões em recursos extraordinários à Saúde. Desse total, porém, R$ 21,6 bilhões são de medidas provisórias do ano anterior e que foram reabertas neste ano, as quais tratavam de recursos sobretudo para vacinas.

Outros R$ 16,4 bilhões são de recursos extras solicitados neste ano, e disponibilizados por meio de quatro medidas provisórias, as quais visavam custeio de leitos, equipamentos e vacinas.

Questionada sobre a previsão de novos recursos, a Economia disse ter atendido todas as demandas de crédito extraordinário ao orçamento da Saúde até o momento e que ainda não recebeu novos pedidos.

Disse ainda que o valor previsto para esse ano pode ser elevado com a aprovação de novas solicitações da Saúde “em caso de constatação, por aquele órgão, da necessidade de novos aportes”.

Fonte folha.uol.com.br/equilibrioesaude

6 máscaras caseiras de hidratação para o cabelo e como preparar

As máscaras caseiras de hidratação para o cabelo são uma forma de reter a umidade nos fios deixando o cabelo mais macio e hidratado, isso porque os ingredientes usados para fazer as máscaras possuem vitaminas e minerais que penetram cabelo ou promovem a limpeza dos poros e a eliminação de células mortas do couro cabeludo.

Antes de utilizar a máscara caseira, é recomendado que seja feito um teste passando um pouco da máscara no dorso da mão para saber se tem alergia. Se a pele ficar vermelha ou irritada, não é recomendado o uso da máscara caseira. Além disso, pessoas que têm alergia ao pólen, mel ou própolis, não devem usar os hidratantes que tem como ingrediente o mel.

Alguns cuidados com o cabelo também devem ser feitos antes de aplicar a máscara caseira de hidratação para melhorar sua ação e, por isso, é recomendado lavar o cabelo com shampoo, retirar o excesso de água usando uma toalha, desembaraçar o cabelo suavemente com uma escova ou pente e aplicar a máscara mecha por mecha e de cima para baixo, evitando passar muito perto da raiz. Para potencializar o efeito da máscara, pode-se optar por enrolar uma toalha na cabeça ou usar uma touca térmica.

Algumas opções de máscaras caseiras de hidratação para o cabelo são:

1. Máscara de óleo de côco e mel

6 máscaras caseiras de hidratação para o cabelo e como preparar

A máscara de óleo de côco e mel promove uma hidratação profunda do cabelo e a reparação dos fios, pois o óleo de côco é rico em ácidos graxos que penetram no cabelo, mantendo a umidade dos fios, deixando o cabelo mais macio, brilhante e sedoso. Já o mel é um umectante natural que retém a umidade no cabelo, além de suavizar e amaciar o fios.

Esse máscara não deve ser usada por pessoas que têm alergia ao pólen, mel ou própolis.

Ingredientes

  • 1 colher (de sopa) de mel;
  • 1 colher (de sopa) de óleo de côco.

Modo de preparo

Misturar os ingredientes em um recipiente limpo e seco. Passar a máscara no cabelo úmido e deixar agir por 15 a 20 minutos. Em seguida, lavar com shampoo e usar o condicionador habitual. 

2. Máscara de azeite e açúcar mascavo

6 máscaras caseiras de hidratação para o cabelo e como preparar

A máscara de azeite e açúcar mascavo é uma boa opção de hidratação caseira para cabelo quebrado, ressecado, com quebras, pontas duplas ou frizz, pois o azeite devolve a umidade para os fios e evita o ressecamento, enquanto o açúcar mascavo promove uma esfoliação do couro cabeludo, removendo as células mortas e o acúmulo de resíduos, deixando o cabelo mais macio, brilhante e sedoso.

Ingredientes

  • 2 colheres (de sopa) de açúcar mascavo;
  • 1 colher (de sopa) de azeite de oliva extra virgem.

Modo de preparo

Misturar os ingredientes em um recipiente limpo e seco e aplicar no cabelo, massageando o couro cabeludo. Deixar agir por 15 a 20 minutos, e lavar o cabelo em seguida. Esta máscara pode ser usada 1 vez por semana.

3. Máscara de abacate e maionese

6 máscaras caseiras de hidratação para o cabelo e como preparar

A máscara de abacate e maionese é rica em gorduras, vitaminas C e E, minerais como potássio e folato, promovendo a reparação e o crescimento dos fios, sendo uma boa opção de hidratante caseiro para cabelos crespos, secos, danificados ou com pontas duplas.

Ingredientes

  • 1 abacate maduro;
  • 2 colheres (de sopa) de maionese;
  • 1 colher (de sopa) de óleo de amêndoas.

Modo de preparo

Descascar e triturar o abacate, adicionando em seguida a maionese e o óleo de amêndoas. Misturar bem todos os ingredientes e passar no cabelo deixando agir por 15 a 20 minutos. Lavar o cabelo em seguida. Esta máscara pode ser utilizada de 1 a 2 vezes por semana. 

4. Máscara de banana, iogurte e mel

6 máscaras caseiras de hidratação para o cabelo e como preparar

A máscara de banana, iogurte e mel é uma boa opção de hidratação caseira para cabelos com luzes ou química, pois é rico em óleos naturais, potássio, vitaminas e ácido lático, que aumentam a umidade, o brilho e a reparação dos fios, além de eliminar o frizz, sendo também indicado para cabelos com pontas duplas ou ressecados.

Esse máscara não deve ser usada por pessoas que têm alergia ao pólen, mel ou própolis.

Ingredientes

  • 1 banana madura;
  • 1 pote de iogurte natural;
  • 3 colheres (de sopa) de mel.

Modo de preparo

Descascar e amassar a banana com um garfo. Adicionar em seguida o mel e o iogurte. Misturar bem todos os ingredientes e passar no cabelo deixando agir por 20 a 30 minutos. Lavar o cabelo em seguida. Essa máscara pode ser aplicada de 2 a 3 vezes por semana.

5. Máscara de camomila, maisena e leite

6 máscaras caseiras de hidratação para o cabelo e como preparar

A máscara de camomila, maisena e leite ajuda a manter o cabelo hidratado, mantendo a umidade dos fios, sendo indicado para hidratação do cabelo loiro ressecado ou com luzes, ajudando a manter a cor e aumentar o brilho.

Ingredientes

  • 2 colheres (de sopa) de flores secas de camomila ou 2 sachês de chá;
  • 2 colheres (de sopa) de maisena;
  • ½ copo de de leite integral.

Modo de preparo

Ferver o leite e adicionar a camomila. Tampar e deixar em repouso durante 10 a 15 minutos. Retirar o saché de camomila ou coar se tiver utilizado as flores secas de camomila. Colocar a mistura em uma panela, em fogo baixo, e adicionar a maisena, misturando até obter uma mistura com consistência de máscara. Esperar esfriar e passar no cabelo deixando agir por 30 minutos. Lavar o cabelo a seguir. Essa máscara pode ser usada de 1 a 2 vezes por semana.

6. Máscara de babosa, mel e glicerina

6 máscaras caseiras de hidratação para o cabelo e como preparar

A máscara com babosa, também conhecida como Aloe vera, mel e glicerina ajuda a hidratar os fios pois possui propriedades nutritivas, regeneradoras e hidratantes, e pode ser usada como hidratação caseira para cabelos cacheados, crespos ou muito ressecados.

Esse máscara não deve ser usada por pessoas que têm alergia ao pólen, mel ou própolis.

Ingredientes

  • 2 colheres (de sopa) de mel;
  • 2 colheres (de sopa) do gel da folha de babosa;
  • 1 colher (de chá) de glicerina.

Modo de preparo

Em um recipiente limpo e seco, misturar os ingredientes, e aplicar no cabelo úmido, deixando agir por 20 minutos. Lavar o cabelo em seguida. Essa máscara de hidratação do cabelo pode ser usada de 1 a 2 vezes por semana.

Fonte tuasaude.com

11 sintomas de problema no fígado

​Os primeiros sintomas de problemas no fígado geralmente são a dor abdominal do lado direito e a barriga inchada, no entanto, podem variar de acordo com o tipo de problema, que pode ser desde fígado gordo, até uso excessivo de bebidas alcoólicas ou doenças, como hepatite, cirrose ou esquistossomose, por exemplo.

Os principais sinais e sintomas que podem indicar um problema no fígado incluem:

  1. Dor na região superior direita da barriga;
  2. Enjoos ou tonturas frequentes;
  3. Dor de cabeça recorrente;
  4. Cansaço fácil e sem razão aparente;
  5. Facilidade em ficar com manchas roxas;
  6. Cor amarelada nos olhos ou pele;
  7. Urina escura;
  8. Perda de apetite;
  9. Fezes amareladas, cinzentas ou esbranquiçadas;
  10. Barriga inchada;
  11. Coceira em todo o corpo.

Caso surjam alguns destes sintomas é importante consultar um clínico geral ou um hepatologista para identificar a causa e iniciar o tratamento mais adequado.

Teste online de problemas no fígado

Para saber se pode estar com algum problema no fígado, assinale o que está sentindo:

Os principais problemas que podem afetar o fígado incluem:

1. Fígado gordo

O fígado gordo, conhecido cientificamente como esteatose hepática, é causado pelo acúmulo de gordura no fígado, que geralmente ocorre devido a má alimentação, ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas, ou por doenças como obesidade, diabetes ou colesterol alto.

Geralmente, nos estágios iniciais, o fígado gordo  não causa sintomas, no entanto à medida que a gordura vai se acumulando no fígado, pode provocar sintomas como dor no abdômen, perda de peso, cansaço e mal-estar geral, com enjoos e vômitos, por exemplo. O tratamento inclui alterações na dieta, mudanças nos hábitos de vida e/ou tratamento doença que possa ter causado o acúmulo de gordura no fígado. Veja como deve ser feita a dieta para fígado gordo.

2. Hepatite

A hepatite é uma inflamação no fígado que pode ser causada por uma infecção pelos vírus da hepatite A, B, C, D ou E, mas que também é comum em pessoas que fazem uso abusivo de bebidas alcoólicas, medicamentos ou drogas de abuso. Além disso, algumas doenças autoimunes como hepatite autoimune ou colangite primária, por exemplo, e a obesidade também podem aumentar o risco de desenvolvimento da hepatite.

Os sintomas mais comuns da hepatite são pele ou olhos amarelados e o tratamento é feito de acordo com a causa da doença. Saiba mais sobre os diferentes tipos de hepatite e como é o tratamento.

3. Cirrose

A cirrose ocorre devido a destruição permanente das células hepáticas, fazendo com estas células sejam substituídas por tecido fibroso, como se fosse uma cicatriz, dificultando o trabalho do fígado. 

Esta doença pode ser causada por toxinas, uso abusivo de álcool, gordura no fígado ou hepatite, por exemplo, e nos estágios iniciais pode não apresentar sintomas. No entanto, nos casos mais avançados pode causar dor no abdômen, urina escura ou fezes esbranquiçadas, por exemplo. Confira outros sintomas da cirrose e como é feito o tratamento.

4. Insuficiência hepática

A insuficiência hepática é a doença mais grave do fígado, pois ele deixa de realizar suas funções podendo levar a uma série de complicações como problemas de coagulação, edema cerebral, infecção pulmonar ou insuficiência renal.

Esta doença normalmente surge após muitos anos de lesões repetidas no fígado, causadas pelo uso de medicamentos, hepatite, cirrose, fígado gordo, câncer ou doenças autoimunes e seu tratamento é quase sempre feito com transplante de fígado. Saiba como é feito o transplante de fígado.

5. Câncer de fígado

O câncer de fígado é um tipo de tumor maligno que quando está numa fase inicial pode não apresentar sintomas, mas à medida que a doença avança, podem surgir sintomas como dor no abdômen, perda de peso, inchaço na barriga ou pele e olhos amarelados, por exemplo, e o tratamento pode ser feito com cirurgia, quimioterapia ou transplante de fígado. Saiba como identificar os sintomas do câncer de fígado.

Este tipo de câncer pode ser causado por história familiar de câncer de fígado, alcoolismo, cirrose, hepatite ou produtos químicos como cloreto de vinila ou arsênico.

Quem tem maior risco de problemas no fígado

As alterações no fígado são mais comuns em pessoas sedentárias e que têm hábitos de vida pouco saudáveis, como alimentação rica em gordura e consumo excessivo de bebidas alcoólicas, por exemplo, o que pode comprometer o bom funcionamento do fígado e levar ao aparecimento dos sintomas.

Além disso, outras situações que podem causar problemas no fígado são:

  • Uso de medicamentos sem indicação médica, o que pode levar à sobrecarga do fígado e comprometimento da sua função, já que o fígado é responsável pela metabolização dos medicamentos;
  • Infecções por vírus, principalmente o vírus da hepatite, que atinge o fígado e diminui a sua atividade;
  • Infecção por parasita, principalmente o parasita Schistosoma mansoni, que é responsável pela esquistossomose, uma doença infecciosa em que formas mais jovens do parasita atingem a circulação portal do fígado e desenvolvem-se até a fase adulta, o que pode provocar aumento e endurecimento do fígado;
  • Hipertensão portal, que é uma situação em que há aumento da pressão nas veias que levam o sangue dos órgãos abdominais para o fígado, o que pode alterar o seu funcionamento;
  • Cirrose, que é a inflamação crônica do fígado em que há endurecimento do tecido desse órgão, o que compromete a sua função, e pode acontecer devido a problemas autoimunes e abuso de álcool;
  • Diabetes descompensada, em que os níveis aumentados de glicose no sangue podem comprometer a função do fígado e levar ao aparecimento de sintomas.

É importante que a causa dos sintomas de problema no fígado seja identificada, pois assim é possível que seja indicado pelo médico o tratamento mais adequado, prevenindo possíveis complicações. Conheça outras causas de problemas no fígado.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de problemas no fígado é feito inicialmente por meio da avaliação dos sinais e sintomas pelo médico, que em seguida solicita uma série de exames para avaliar o funcionamento do fígado, que recebe o nome de hepatograma.

O hepatograma corresponde a um conjunto de exames laboratoriais e de imagem que permitem saber se o fígado está funcionando ou não. Dentre os exames incluídos estão a dosagem de bilirrubina total, direta e indireta, albumina, lactato desidrogenase (LDH), gama glutamil transferase (GGT), TGO/ ALT, TGP/ AST e tempo de protrombina, além de ultrassonografia e tomografia. Conheça mais sobre os exames que avaliam o fígado.

Como é feito o tratamento

O tratamento indicado pelo médico varia de acordo com a doença a ser tratada, no entanto nos casos mais leves pode ser recomendado apenas alteração na dieta. Por outro lado, nos casos mais graves, além da mudança na alimentação, pode também ser necessário tomar remédios que ajudem a diminuir a inflamação, colesterol e a glicemia, que são fatores que podem trazer ainda mais complicações para o fígado.

Além disso, deve-se conversar com o médico e saber se pode complementar o tratamento com remédios caseiros, como os feitos com boldo, alface ou alfazema.

Alimentação para tratar o fígado

Em caso de problemas no fígado, recomenda-se beber pelo menos 1,5 L de água por dia e consumir alimentos de fácil digestão e com pouca gordura, como peixes, carnes brancas, frutas, legumes, sucos naturais, queijos brancos e leite e derivados desnatados.

Além disso, deve-se preferir preparações cozidas, assadas ou grelhadas, evitando frituras, refrigerantes, biscoitos recheados, manteiga, carnes vermelhadas, salsicha, linguiça, bacon, chocolate e doces em geral, sendo também importante evitar o consumo de qualquer tipo de bebidas alcoólicas. Veja como deve ser feita a dieta para o fígado.

O gastroenterologista é o médico especialista mais indicado para o tratamento das doenças do fígado, e ele deve ser consultado se os sintomas persistirem, mesmo após as alterações na dieta.

Assista ao vídeo com a nutricionista Tatiana Zanin e veja mais dicas para tratar os problemas no fígado:

Fonte tuasaude.com