Quais os cuidados com nossa saúde devemos ter em dias quentes?

cuidados com a saúde em dias quentes

Quais os cuidados com a nossa saúde devemos ter em dias quentes? Em nosso cotidiano são vários os compromissos e as preocupações que passamos, desde chegar no horário no serviço, conseguir render fisicamente e psicologicamente durante as atividades, de conseguir visitar aquele amigo, de passar para fazer compras e pagar as contas. Infelizmente, costumamos deixar o mais importante de escanteio: a saúde. Uma alimentação saudável e equilibrada, fazer uma avaliação com o médico e com um dentista, cumprir com os exames requeridos e com a documentação ortodôntica, praticar exercícios e se proteger da luz solar, também devem estar entre nossas programações.

O sol pode ser fonte de benefícios como a vitamina D, mas, a exposição intensa e frequente pode trazer diversos danos e os cuidados não se limitam ao verão. Veja como se cuidar em dias quentes:

Alimentação nos dias quentes

Em dias de calor mais intenso, geralmente nos alimentamos pouco e com menores intervalos, escolhendo sempre alimentos mais leves e de fácil ingestão. Isso acontece, pois nosso corpo possui uma temperatura em torno de 36º C, e em períodos quentes, conter a temperatura não é algo complicado. Assim, nosso organismo não necessita de digerir uma maior quantidade de alimentos como em tempos frios.

Além disso, no calor a circulação do sangue cresce na pele, fazendo com que o corpo compartilhe esse calor com o ambiente. Após nos alimentarmos, o sangue tende a se locomover para o aparelho digestivo, ajudando na digestão e recebendo nutrientes.

À medida que ingerimos alimentos, o sistema digestivo necessita de mais sangue. Tendo em vista que a quantidade que ele precisa é muito grande, pode levar a pessoa a ter tontura, ao cansaço e ao sono extremo, motivando a pouca ingestão de alimentos e de apenas mais leves quando feita.

Se ingerimos um alimento bastante quente no calor, começamos a transpirar, e isso é devido ao suor e o nervo vago. O nervo vago transita pelo sistema digestivo, reage com os alimentos e influencia na produção do suor, que equilibra nossa temperatura interna. Esse é um dos motivos que precisamos ingerir uma boa quantidade de água, precisamos compensar o suor perdido, esse que é composto por água e sais minerais.

Os sais minerais podem ser restituídos com a alimentação, pois o cloro e o sódio estão entre os componentes do sal de cozinha e assim, nos alimentos salgados. O potássio está presente em frutas como as laranjas, uvas, abacates, bananas e também na água de coco, e o magnésio é obtido nos grãos como a lentilha, o milho, o grão de bico, e também nas nozes e amêndoas.

Cuidados com a pele em dias quentes

Em dias quentes, o cuidado com a pele pode evitar uma série de doenças graves. À proporção que as atividades ao ar livre aumentam, o tempo de exposição ao sol também, sendo o ambiente ideal para o desenvolvimento dessas doenças.

Queimaduras, câncer de pele, e outros tipos de enfermidades podem surgir se não houver uma atenção as precauções necessárias. O uso diário do protetor solar deve ser aplicado 30 minutos antes de se expor ao sol. O filtro solar de fator 30 ou superior é indicado para exposições maiores como em passeios a praias, cachoeiras, piscinas, para lagoas, seja para banho, pesca e outros fins.

A aplicação deve ser feita de maneira uniforme em todas as partes do corpo, podendo ser repassado a cada duas horas em casos de transpiração intensa e se for entrar na água. O uso de um bom hidratante corporal também auxilia na manutenção de água na pele. A hidratação frequente no dia-a-dia com a ingestão de líquidos, seja água, água de coco ou suco de frutas, é muito importante e promove a melhor qualidade da pele.

Calor e procedimentos médicos

Após passar por algum procedimento médico, seja ou não cirúrgico, o processo inflamatório do pós-cirúrgico tem como principais consequências o inchaço, a coloração avermelhada do local, forte dor, e algumas vezes, um alto relevo. Muitos pensam que fazer qualquer um desses procedimentos em períodos mais quentes pode levar a um maior desconforto, mas não é bem isso.

Em períodos mais frios, como no inverno, o clima e a temperatura favorecem para que os edemas (inchaço pela conservação do líquido) não fiquem maiores. Contudo, a recuperação total tende a ser retardada.

Em tempos quentes, o uso das compressas de gelo no local compensa o inchaço maior nas primeiras horas. Após essa situação, há o início da recuperação do organismo, porém, para que o líquido siga o percurso oposto é necessário que os vasos se ampliem, fazendo com que as altas temperaturas beneficiem a recuperação.

Mesmo seguindo os cuidados precisos, procure um especialista para uma avaliação e para conhecer mais as suas necessidades e carências quanto ao calor. Há vários casos de alergias e surgimento de manchas na pele que se desenvolvem apenas durante esse período e variam de pessoa a pessoa; essa mesma particularidade atinge os processos cirúrgicos. Em cada caso e cada pessoa, há um organismo diferente que reage o ambiente de forma distinta e individual.

Como manter a saúde física e mental em dia?

saúde física e mental

Como manter a saúde física e mental em dia? | Muito se fala do corpo escultural, da prática regular de esportes, das visitas frequentes aos consultórios médicos, do valor da estética e procedimentos como harmonização facial, e muito pouco sobre algo que também afeta nossa vida e é tão importante quanto: a saúde mental. A saúde mental é tão importante quanto a saúde física, já que além de se tratar da saúde de nosso cérebro, é justamente o órgão que controla todos os outros e é capaz de controlar todo o nosso corpo e seu rendimento. Veja mais sobre:

O impacto da saúde mental

A saúde mental pode influenciar diretamente em nosso humor, emocional, rendimento, em nossos sentimentos, na nossa motivação e percepção, atingindo todas as áreas de nossa vida. Sendo assim, manter um cuidado e uma atenção voltada ao nosso psicológico é muito importante para nosso sucesso em atividades presentes e futuras. Um psicólogo e psicoterapeuta pode ajudar e muito na recuperação de nossa confiança, autoestima e assim, em nossos resultados.

Como qualquer mudança em nossa vida requer um certo período de tempo para se acomodar, uma mudança relativa quanto a qualidade de nossa saúde mental também é assim. É gradualmente, mudando certos hábitos do dia-a-dia, que transformamos nossos pensamentos e nossa forma de olhar o mundo e a nós mesmos.

Assim, como a saúde física depende da mental, a saúde mental também está interligada com a saúde física. Escolhas como permanecer positivo, ativo e saudável afetam uniformemente o seu bem-estar e boa forma, sua qualidade de vida depende de ambas as vertentes.

Comece aos poucos e, com atitudes vigorosas e responsáveis consigo mesmo, tenha um retorno positivo como: o total controle de si próprio e satisfação com suas ações e escolhas, ganho de energia e do sentimento de estar em seu melhor estado, positivismo e maior prazer em suas atividades, ser referência para os outros e para você, além da melhora da saúde física.

Saúde física e a boa alimentação

O bom rendimento físico e uma alimentação saudável e regrada são a chave do bom posicionamento físico. É através de uma boa alimentação, colorida e cheia de nutrientes, que se adquire um melhor condicionamento e rendimento na pratica de exercícios.

Para começar uma dieta saudável, como por exemplo a dieta do ovo, é preciso listar o seu cardápio cotidiano e compreender os seus hábitos alimentares. Ter o total entendimento sobre o que costuma comer, ajuda a organizar a sua nova dieta e perceber no que está pecando. Evitar alimentos processados e grandes porções de comida são um dos pilares da dieta ideal. Consuma majoritariamente alimentos naturais e comer na medida certa, buscando ficar satisfeito. Caso se encontre confuso, consulte um nutricionista para guia-lo em seu processo de adaptação.

Hábitos alimentares não saudáveis influenciam diretamente no ganho de peso e, em alguns casos, faz as pessoas se dirigirem a tendências de dietas que prometem uma perda de peso em pouco tempo. Essas dietas regram a sua alimentação e na maioria das vezes, não são adequadas para você.

Acompanhando a boa alimentação, a prática de atividade física colabora para uma vida mais saudável e longa. Seja atividades domésticas, uma caminhada, um exercício ou a prática de algum esporte, qualquer iniciativa de movimento conta para a prevenção de problemas graves e doenças.

Dietas alimentares e reeducação alimentar

O mercado das dietas é bastante concorrido, profissionais vendem técnicas “milagrosas” e nunca há aquela considerada correta. O segredo não é tão secreto assim, cada organismo reage de uma forma o que é ingerido, trazendo assim diferentes resultados, seja bom ou ruim. Então, você pode até testar uma dieta que te chame a atenção, mas observe a resposta de seu organismo a ela e a adapte de acordo. Não se restrinja dos alimentos saudáveis que você gosta, monte sua dieta de acordo com seus gostos e necessidades.

No início, pode ser uma boa ideia trocar a quantidade de alimentos industrializados por naturais, sentindo assim o primeiro impacto. À medida que o tempo passar e você se sentir confortável, vá diminuindo as proporções dos alimentos prejudiciais e repondo com aqueles com maior carga de nutrientes.

Para uma melhor alimentação há dicas como: procurar comer sempre comidas caseiras, não pule as principais refeições, não exagere e tenha controle, coma alimentos variados e reeduque também as pessoas em sua volta; assim você terá apoio e uma maior motivação para persistir.

Positivismo e saúde

Ter pensamentos e atitudes positivas podem auxiliar em uma melhor qualidade de vida. Além disso, o positivismo pode tornar mais fáceis decisões como aquelas que mantém uma alimentação mais saudável e uma rotina mais ativa. Tratar de problemas psicológicos ajuda bastante a deixar a vida mais leve, assim como hábitos como: Fazer o que gosta, se divertir, relaxar, manter-se ativo, ler, estudar, e acima de tudo, procurar se conhecer e reconhecer o seu valor.

Além de se reerguer positivamente, trazer consigo parentes e amigos facilita o processo, quanto mais pessoas alegres e contagiantes na sua vida, mais rápida é a superação de problemas e perdas.

O estresse cotidiano pode ser o seu maior inimigo ao longo do processo, mas a melhor solução é sempre reagir e se autocontrolar, praticando medidas relaxantes como guiar a respiração, meditação e práticas de yoga.

Deste modo, procure sempre olhar para você e não deixar com que os problemas do dia-a-dia, seja no trabalho ou dentro de casa, atinjam a sua saúde mental e física. Tenha sempre em mente que você é sua prioridade e pratique atos que te faça feliz. Em casos de doenças psicológicas procure um especialista, iniciar um tratamento também é um ato de cuidado.

A acessibilidade na estética

acessibilidade na estética

A acessibilidade na estética | A estética pode ser vista como uma extensão da saúde por tratar de partes do corpo humano. Procedimentos estéticos ajudam na correção de falhas e na elevação da autoestima das pessoas, atuando assim em sua saúde mental e no bem-estar consigo mesmo. Todos precisamos de nos sentir bem e satisfeitos com nossa aparência e temos o direito de conseguir ter acesso a jovialidade que a estética proporciona.

Pessoas com deficiência ou com alguma dificuldade financeira/geográfica devem ter acesso a esses recursos, respostas de perguntas como: quanto custa um implante dentário? podem ser agradáveis a todos os ouvidos. Assim como na saúde, a acessibilidade na estética é de estrema importância, veja os motivos:

Diversidade do público

O público do setor de estética é amplo e atinge, mesmo com exceções de perfis, toda a população. O público que frequentam clínicas e consultórios estéticos é diverso, fortalecendo ainda mais a ideia de acessibilidade na área.

A diversidade seja de gênero, idade, raça, classe social ou condição física e metal; não interfere na ampla ideia de que todos nós nos preocupamos com nosso exterior tanto quanto nosso interior. Não se trata somente de vaidade, mas na autoconfiança que interfere diretamente no posicionamento social e nas relações interpessoais.

Influência das mídias

A grande mídia e a as redes sociais hoje em dia atingem grande parte da população. O impacto em que atingem as pessoas é tão forte e de influência tão poderosa que fazem ações e pensamentos virarem tendências dentro e fora da internet. Com a valorização estética, padrões de belezas foram estabelecidos e muitos que não se encaixavam em algum deles recorreram a ajuda profissional.

Acessibilidade financeira

É muito importante, que assim como procedimentos na saúde, os de fins estéticos não possuam valores exorbitantes. Tratamentos como o clareamento dental e o aparelho ortodôntico devem possuir uma maior acessibilidade, já que os problemas que solucionam, se agravados, podem resultar em problemas de saúde que poderiam ser evitados.

Existem projetos sociais que oferecem certos serviços estéticos para a população mais carente, e quando associados a uma marca, tomam grandes proporções e afetam positivamente a vida das pessoas.

Deficiência no Brasil

Segundo dados do IBGE, estipula-se que cerca de 23,9% da população brasileira possui alguma deficiência seja motora ou intelectual. Essas estimativas só evidenciam a importância de integrar toda a população a todos os tipos de serviço, e fortalecer ainda mais a igualdade em todos os setores, essa que não sai do papel na maioria dos países democráticos.

A parcela de idosos e gestantes também apresentou um aumento nos últimos anos, até mesmo a de pessoas que apresentam alguma insuficiência temporária.

Normativa Brasileira e a acessibilidade na estética

A NBR 9050 informa que todas as localidades construídas ou planejadas, devem possuir acessibilidade a todos. Há regido nas normas de acessibilidade que espaços públicos devem ser idealizados e estabelecidos respeitando os limites e requerimentos do desenho universal. Com esse modelo, se atende todas as ramas da população através das características sensoriais e antropométricas.

Com segurança, conforto e permitindo que qualquer um consiga ser autônomo, a acessibilidade é alcançada e assim uma distribuição de serviços mais justa. Segue ações simples que podem fazer com que os espaços de estética se tornem ambientes mais democráticos:

Planejamento – Sempre busque a opinião profissional de um arquiteto quando for realizar o planejamento do espaço, evidenciando a sua preocupação quanto à acessibilidade e funcionalidade.

Vão de acesso –O vão de acesso recomendado deve possuir uma largura mínima de 80 cm, tendo todas as portas dos banheiros uma largura mínima de 90 cm.

Rampas e elevadores – Para se ter um ambiente acessível as escadas estão fora de cogitação. As rampas devem ser suaves e possuir uma inclinação máxima de 12,5%, já os elevadores devem ser bem posicionados e espaçosos.

Mobiliário – O mobiliário também deve ser adequado e confortável, prestando atenção na distância entre eles para que o ambiente tenha um bom fluxo.

Livre circulação –O chão do local deve ser liso e sem elementos que possam contribuir para uma queda. Itens aveludados, como os tapetes, podem ser usados em lugares de espaço maior de modo que não cubra todo o espaço de locomoção.

Portanto, a acessibilidade vai muito além do arquitetônico e da mobilidade, ela abrange até mesmo o contextual e a comunicação. Sempre idealize sua clínica e consultório buscando acolher a todos e providenciar um espaço acolhedor a seu cliente e a sociedade. Ao realizar um papel social você está também agregando valor a seu negócio.

Os efeitos do cigarro nos dentes

efeitos do cigarro nos dentes

O tabaco é um dos principais vilãos da qualidade do sorriso. Esse consumo pode causar uma série de danos como: mau hálito, manchas no dente, cor amarelada, inflamações e consequentemente sua perda, e em situações mais graves, pode colaborar para o desenvolvimento de um câncer. Para a prevenção de todos esses danos é necessário consultar com um dentista e ficar atento quanto ao consumo deliberado do cigarro.

A lente de contato dental é um dos procedimentos que o odontologista irá tomar, fazendo com que a cor do dente fique mais natural. Em casos de perda dos dentes a solução serão os implantes, que através dos problemas de cicatrização, deve ser supervisionado após o tratamento. Antes e depois desses procedimentos, é necessário um tempo determinado sem fumar para que não interfira em seus resultados, mas, para resultados ainda melhores e promissores o ideal seria abandonar o vício.

O tabagismo enfraquece as células das mucosas, e assim diminui a sua capacidade de cicatrização e defesa. Com as células frágeis, há a fácil proliferação de vírus, fungos e bactérias. Leia os danos desse vício:

Mau hálito

O mau hálito é a consequência mais frequente e instantânea do ato de fumar. O fumo resseca a área da boca e impede a produção de saliva. Com isso, algumas das substâncias que ingerimos continua na nossa boca e é consumida, o que leva aos odores da halitose. Ademais, as mesmas substâncias que formam pela queima do tabaco se instalam na garganta, nos pulmões e no nariz, colaborando no aumento dos odores indesejados do mau hálito.

Dentes e gengivas escuras

Um dos principais compostos químicos do cigarro, é a nicotina, que se junta facilmente ao esmalte do dente e o escurece. Um outro efeito desse composto é sua influência no crescimento da produção de melanina do corpo, afetando os tecidos da boca, como as bochechas e a gengiva, e os deixando escuros e manchados (melanose de fumante).

Problemas na gengiva e de perda dentária

O uso do tabaco impacta fortemente a região da gengiva, influenciando assim na perda dos dentes. O cigarro colabora com o aumento da temperatura média da boca e faz com que a região se torne ideal para o desenvolvimento de bactérias, do tártaro e da placa bacteriana.

Essas características favorecem também à perda óssea, a doenças periodontais, como a periodontite e a gengivite, e a danos de maior gravidade que levam à perda de dentes.  As doenças periodontais são infecções na gengiva, nos ossos e na região envolta dos dentes. É a consequência da proliferação de bactérias prejudiciais na boca e pode causar a perda dentária.

Doenças

O cigarro pode colaborar com o desenvolvimento de mais de 50 doenças diferentes. Consumidores de tabaco possuem entre duas a três vezes maior possibilidade de adquirir uma doença do que quem não fuma. Ainda há a fumaça do tabaco que age na mucosa da boca e atrapalha a cicatrização e a eficiência do sistema imunológico, desprotegendo o organismo e o deixando indefeso aos microrganismos.

Problemas no paladar

A fumaça do cigarro atinge as pupilas gustativas e causa a diminuição do paladar e da sensibilidade.

Câncer

O câncer é o efeito mais grave e danoso do tabagismo no organismo, podendo se desenvolver em diversas regiões, inclusive na boca. Afeta o sistema cardíaco, nervoso, respiratório e também o digestivo. O cigarro também age em todas as áreas da boca e se relaciona diretamente ao câncer de lábio, laringe, faringe e esôfago.

O cigarro transforma a composição genética das células e apresa seu período reprodutivo. Essa situação colabora com o risco de desenvolvimento do câncer nos fumantes, em conjunto às milhares de substâncias nocivas do tabaco. Há diferentes sintomas que podem indicar que o fumante tenha alguma das variações do câncer bucal como:

  • Feridas ou ulcerações com problemas na cicatrização a mais de 15 dias;
  • Inchaço na boca e/ou no pescoço;
  • Nódulos;
  • Manchas ou placas brancas ou vermelhas.

Acompanhamento profissional

A nicotina do cigarro pode levar a um vício extremo, deixando ainda mais difícil de a pessoa se livrar dele. Se a pessoa for dependente do fumo, deixar esse hábito de lado mudará totalmente sua qualidade de vida. É realmente um passo importante, e pode ser supervisionado por um médico especialista.

Ao longo do processo, o suporte e o apoio é indispensável, e o dentista também pode ser essa fonte de apoio. O incentivo profissional é muito importante para evidenciar os prejuízos do cigarro e os benefícios que serão alcançados sem o seu consumo. Nunca é tarde para começar um melhor e mais saudável estilo de vida.

A gestão da saúde

Gestão da saúde

A avaliação em saúde envolve diferentes profissionais e serviços, configura-se em ampla possibilidade de revisão de aspectos relacionados à estrutura, desempenho do sistema e situação de saúde da população. No contexto da Atenção Primária à Saúde (APS) a introdução de mecanismos de avaliação que subsidiem decisões acerca das políticas de saúde tem ganhando destaque, principalmente, pela potencialidade inerente aos resultados de avaliações em proporcionar mudanças de práticas. A avaliação da APS deve ser percebida como uma estratégia para o planejamento em saúde e alcance da qualidade das ações e serviços prestados nos mais diversificados cenários. Saiba mais na terceira resenha produzida no âmbito da disciplina “Tópicos em Métodos e Abordagens de Avaliação em Saúde”, do Programa de Pós-Graduação Saúde na Comunidade (FMRP-USP).

Maraiza Alves Freitas, Amanda Goshima Kronka, Bruna Ré Carvalho, Haline Fernanda Canelada, Lucila Hirooka, Ione carvalho Pinto, Aldaísa Cassanho Forster, Janise Braga Barros Ferreira

As transformações sociais e a definição de um novo modelo assistencial na Atenção Primária à Saúde – APS, a partir da implantação da Estratégia de Saúde da Família (ESF), em 1994, tem determinado mudanças de prática, reestruturação de serviços e da rede de saúde. Na perspectiva da melhoria da qualidade dos serviços de APS o processo de avaliação apoia a tomada de decisão e contempla desde um conjunto de ações de caráter subjetivo até as pesquisas avaliativas que utilizam de métodos e técnicas que permitem maior objetividade.

A avaliação dos serviços de APS em seus diversos aspectos tem se expandido desde 1998 com iniciativas do Ministério da Saúde (MS) sob o pressuposto de fortalecimento da APS como ordenadora da rede do sistema de saúde. As avaliações iniciais da APS focaram o monitoramento da estrutura, processo e resultado por meio de dados obtidos nos sistemas de informação em saúde e de avaliações normativas [1].

Para Sala & Mendes [2] a grande maioria dos estudos de avaliação da APS aborda o seu desempenho, sob diferentes perspectivas conceituais e operacionais, considerando as ações em saúde e relacionando o desempenho ao contexto demográfico e sociopolítico dos municípios. Os municípios com distintos contextos populacionais e de desenvolvimento social determinam diferentes evoluções para a APS no que se refere ao seu desempenho e nos perfis de saúde da população. A avaliação da APS, realizada a partir de uma série histórica de indicadores de saúde, do período de 2000 a 2009, no estado de São Paulo, mostrou que há não apenas a expansão da oferta de APS, mas também um aumento na qualidade das ações, aspecto este que evidencia a preocupação da qualificação da APS a medida que esta se expande.

No estado de São Paulo foi implantado, no ano de 2010, um sistema de auto-avaliação para a APS, denominado Quali-AB. Segundo Castanheira et al [3] a abordagem avaliativa do Quali-AB está direcionada ao cotidiano dos gerentes e profissionais que estão diretamente envolvidos no processo do cuidado, incorporando como objeto a organização do processo de trabalho. Trata-se de uma auto-avaliação que aborda centralmente indicadores de processos, mais do que os de estrutura e de resultados.
Ao utilizar indicadores de processos a avaliação tem seu foco na dinâmica dos processos de trabalho, na forma de sua realização e em suas necessidades.

O MS instituiu através da Portaria nº 1.654 de 19 de Julho de 2011, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica – PMAQ – AB, cujos objetivos contemplam a inovação na gestão da APS, valorizando os processos de auto-avaliação, monitoramento e avaliação, apoio institucional e educação permanente [4]. O PMAQ-AB está estruturado em quatro etapas que se complementam, formando um ciclo contínuo, na premissa de que o exercício avaliativo na APS deva ser contínuo e permanente, constituindo-se como uma prática comum de monitoramento e avaliação pela gestão, coordenação, equipes e profissionais [5]. Composto por indicadores de desempenho e monitoramento o instrumento de auto-avaliação e avaliação externa contemplam aspectos relacionados à estrutura, processo e resultados em APS, o que caracteriza o PMAQ-AB com um programa de avaliação cujos resultados podem fundamentar mudanças amplas em serviços de APS, no tocante aos processos de trabalho e gestão.

Considerando que a efetividade da APS, no contexto brasileiro, é influenciada por múltiplos fatores (recursos financeiros, estrutura física, suficiência e qualificação dos profissionais de saúde, entre outros) a institucionalização da avaliação no cotidiano dos serviços de saúde, tendo em conta as evidências disponíveis, o grau de adequação das práticas e os padrões de qualidade, é um mecanismo essencial para o fortalecimento do modelo de atenção, bem como para o planejamento e a gestão em saúde.

Para saber mais:
• Avaliação na Atenção Básica em Saúde: Caminhos da institucionalização, Ministério da Saúde [1]
• Perfil de indicadores da atenção primária à saúde no estado de São Paulo: Retrospectiva de 10 anos [2]
• QualiAB: Desenvolvimento e validação de uma metodologia de avaliação de serviços de atenção básica [3]
• Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011, Ministério da Saúde do Brasil [4]
• Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): Manual Instrutivo, Ministério da Saúde [5]


Para citar esse artigo:
Freitas MA, Kronka AG, Carvalho BR, Canelada HF, Hirooka LB, Pinto IC, Forster AC, Ferreira JBB. Avaliação em saúde no contexto da Atenção Primária à Saúde. RESC 2015 Mar;2(3):e87.

O futuro da tecnologia e inovação odontológica

tecnologia odontológica

Como será a tecnologia odontológica no futuro? Durante décadas, ir ao dentista foi considerado uma experiência indesejável. Envolvia sentar-se sob uma luz forte e ter sua boca invadida por uma variedade de ferramentas. Embora a saúde bucal seja muito importante para a sua saúde geral e para ter um sorriso bonito, entre outros benefícios, muitas pessoas optam por evitar as consultas ao dentista por serem incômodas para elas.

Felizmente, os novos avanços tecnológicos estão tornando as idas ao dentista mais rápidas, fáceis, menos dolorosos e mais confiáveis. Devido a esses avanços, a indústria odontológica está crescendo rapidamente e parecendo muito diferente do que era nos últimos anos. Uma maior ênfase no tratamento e prevenção significará menos cáries nos pacientes e menos risco de doença periodontal. Semelhante à inovação em outras profissões da área de saúde, essas novas tecnologias terão um grande impacto sobre como os profissionais de odontologia tratam seus pacientes e como as pessoas cuidam de sua saúde bucal em casa.

Prótese dentária não será mais a mesma

Historicamente, a prótese dentária foi criada ao longo de um período de tempo e as pessoas que precisavam dela e tinham que fazer várias viagens ao dentista. Esse era um processo um tanto quanto árduo e muitas vezes exigia tentativa e erro para obter o ajuste perfeito.

Demorava semanas e várias visitas ao dentista para produzir e colocar um par de dentaduras. Agora, as próteses digitais oferecem um novo sistema para a criação de próteses com encaixe preciso em uma fração do tempo muito menor. O processo usa software, dispositivos e materiais avançados para criar próteses com facilidade. O design e a manufatura auxiliada por computador (CAD / CAM) é o que torna esse novo processo possível. Ele permite que dentistas e técnicos dentais fabricarem um novo par de próteses usando discos de material para fazer próteses. Um par completo de próteses pode ser fabricado em apenas algumas etapas.

Diagnóstico e tratamento de última geração

Os lasers estão sendo usados ​​tanto no diagnóstico quanto no tratamento. Os dentistas estão usando “lasers de tecido mole” para pequenas cirurgias na gengiva. No entanto, no futuro, eles podem entregar esses procedimentos aos computadores. Os “lasers de tecido duro” poderiam, em última instância, substituir as brocas dentais de alta velocidade, removendo a cárie dentária com a ajuda de pequenos espelhos controlados digitalmente. No entanto, o alto preço desses dispositivos terá que cair antes de serem amplamente usados.

Novos avanços estão criando “biomateriais” para preencher cavidades. Por exemplo, um projeto conjunto entre duas universidades criou um biomaterial sintético que poderia essencialmente permitir que uma cavidade se curasse, um desenvolvimento com o potencial de reduzir significativamente a deterioração dentária que leva a canais radiculares dolorosos e caros.

A detecção precoce do câncer de boca. A sexta forma mais letal de câncer, agora é possível. O dispositivo “VELscope” usa luzes azuis no estilo CSI para captar alterações de tecido que não podem ser vistas a olho nu, destacando problemas potenciais que podem exigir uma biópsia.

Uma visão mais futurística poderia incluir nano robôs. Algumas dessas máquinas microscópicas poderiam restaurar ou endireitar os dentes, aplicar anestesia durante a cirurgia oral, diagnosticar diabetes e outras doenças ou tratar câncer de boca. Outros poderiam combater bactérias com produtos como uma “pasta de dente vestível” feita de nanotubos de carbono antimicrobianos. Mas a pesquisa da nanotecnologia é complexa, e esses desenvolvimentos estão em um futuro distante, já que os testes clínicos em humanos seriam necessários para determinar a eficácia e a segurança.

Democratizando a assistência em meio a tecnologia odontológica

Alguns avanços da tecnologia odontológica, será possível fazer uma varredura inicial em casa ou em uma clínica de saúde comunitária por meio de um smartphone. Essas tecnologias democratizarão o atendimento odontológico, permitindo o diagnóstico rápido de problemas básicos para pessoas em qualquer lugar. Mesmo aquelas que moram em áreas remotas ou em locais onde há poucos dentistas.

Com o aparecimento dessas inovações tecnológicas, imagens básicas e outros diagnósticos não precisarão ser feitos por profissionais altamente treinados. Em breve, os tecnólogos se tornarão parte integrante da prática odontológica e os dentistas se concentrarão nos procedimentos complexos e difíceis que exigem sua especialização. Em última análise, isso deve reduzir os custos.

O futuro da odontologia parece muito diferente da prática de hoje: sem brocas, sem injeções, acesso mais fácil e menor tempo de tratamento. No geral, haverá uma maior ênfase na prevenção que se traduz em menos cáries e menos doença periodontal. As previsões são que a odontologia fornecerá cada vez mais sorrisos bonitos, brancos e saudáveis.